Seca: agricultores do Sul vão receber R$ 48 milhões

Governo vai liberar verba para estados castigados pela estiagem e prorrogará dívidas de produtores

por Agência Brasil

José Cruz/ABr

(Da esq. para dir.) Cristiano Heckert e os ministros da Agricultura, Mendes Ribeiro, e do MDA, Afonso Florence, falam sobre medidas. Foto: José Cruz/ABr

O governo federal se antecipou e divulgou nesta quinta-feira (12/1) um pacote de ações emergenciais para ajudar os agricultores que enfrentam problemas com a estiagem no Sul do país. Cerca de 93 municípios afetados vão ser beneficiados à partir desta sexta-feira (13/1) e os demais até o final de semana. O documento em caráter de emergência coletiva deve facilitar a liberação de recursos.

Os beneficiados serão Santa Catarina, onde 73 municípios decretaram situação de emergência e mais de 65 mil propriedades rurais foram afetadas, Paraná, onde 35 cidades estão em situação de emergência e Rio Grande do Sul, o estado mais sofre com a estiagem: 188 municípios em situação de emergência e mais de 1 milhão de pessoas prejudicadas.

Dentre as medidas para amenizar os efeitos das condições climáticas, estão a perfuração de açudes, recuperação de barragens e instalação de redes de distribuição de água. Cristiano Heckert, diretor do Departamento de Articulação e Gestão da Defesa Civil, afirma que será necessário formular projetos que cumpram condições legais para que os recursos, que já estão disponíveis, sejam repassados.

Segundo Heckert, para facilitar a liberação dos recursos, a presidente Dilma Rousseff determinou a criação do Centro de Monitoramento Integrado para a Seca do Sul. Neste Centro participarão representantes dos governos estaduais, dos ministérios da Agricultura, do Desenvolvimento Agrário, e da Integração e da Agência Nacional de Águas (ANA).

Dívidas
Outra medida anunciada foi o vencimento de parcelas do financiamento agrícola que será prorrogado até 31 de julho. A medida vale para os produtores que não contrataram o crédito rural com seguro. Conforme o tamanho da perda, as dívidas dos produtores não segurados poderão ser reescalonadas por um prazo máximo de cinco anos. Outra ação para atenuar os prejuízos dos agricultores familiares atingidos pela estiagem na região, é a oferta de subsídio para compra de milho e trigo para garantir suprimento nutricional do gado leiteiro. “Vamos comprar grãos e revender a preços subsidiados, garantindo a nutrição e a continuidade da produção leiteira”, disse o ministro.

Com a situação de emergência evidente, Santa Catarina e Paraná também poderão receber recursos emergenciais. O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, esteve nesta quinta-feira no Palácio no Planalto e pediu R$ 20 milhões.

Segundo o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, no Sul do país a perda média foi de 32% da produção, principalmente na lavoura de milho, que estava na época de floração no auge da seca. Ele disse nesta quinta-feira que o governo prevê, até o momento, o pagamento de R$ 1 bilhão aos produtores que perderam parte da safra nas regiões atingidas pela estiagem.

Fonte: Globo Rural

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.