RURAL – Seguro rural personalizado amplia cobertura no Estado

Em vez da média de produtividade do município, modalidade considera média da propriedade e vê sua aceitação crescer na área da Cotrijal

Depois das perdas na última safra de grãos por conta da estiagem, produtores  têm aumentado a adesão ao seguro rural no ciclo 2020/2021. Na região de abrangência da Cotrijal, de Não-Me-Toque, a área segurada chama atenção, segundo o superintendente administrativo-financeiro da cooperativa, Marcelo Ivan Schwalbert. Atualmente, 130 mil hectares, somando as culturas de inverno e de verão, estão cobertos por um seguro rural personalizado, demandado pela cooperativa às seguradoras. No ano passado, 66 mil hectares foram segurados por este produto.

No entender de Schwalbert, a estiagem estimulou este aumento. Mas outro fator também tem sido identificado, a criação da cultura do uso do seguro rural na região. Segundo o superintendente, isto se deve a um trabalho iniciado em 2016 junto ao mercado segurador para criação de um produto diferenciado. Desde então, foi lançada uma modalidade que leva em conta o histórico de médias de produtividade de cada propriedade e não a média geral do município apontada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Atualmente, três seguradoras têm operado com este produto e a média de cobertura, em caso de sinistro, tem sido de 46 sacas por hectare, resultado bem mais satisfatório em relação ao que havia no mercado. “O produtor conseguiu enxergar que ele terá esta garantia se alguma intempérie atingir a lavoura”, comenta o superintendente, ao informar que hoje a Cotrijal é a terceira maior cooperativa em contratação de seguro rural no país. “Em função dos custos elevados para produzir, o seguro proporciona uma tranquilidade ao produtor e, por consequência, uma segurança para a cooperativa”, acrescenta.

Schwalbert diz ainda que grande parte dos produtores tem conseguido acessar a subvenção do governo federal, por anteciparem a contratação das apólices, sabendo que os recursos são limitados. A adesão aos produtos de seguro começam em março na região, mesmo para as lavouras que serão plantadas somente a partir de setembro. Neste ano, o valor subvencionado supera R$ 1,8 milhão nas culturas de inverno na região de atuação da Cotrijal.

Cíntia Marchi

Fonte : Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *