RURAL NOTÍCIAS – O QUE VEM POR AÍ – MT: com custo da soja 12% maior em 2016/2017, produtores vão reduzir tecnologia

Para cortar despesas, agricultores do estado já falam em reduzir compras de insumos mesmo que isso prejudique a produtividade

VÍDEOS RELACIONADOS
Aprosoja dá dicas de investimentos para produtor
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Colheita da safra brasileira de soja atinge 67% da área
Cotação da soja se mantém firme nos portos
MT finaliza plantio de milho; colheita de soja atinge 91% da área
Estudo do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) aponta que o custo de produção da soja vai subir 12% na safra 2016/2017. Por conta disso, já há agricultores afirmando que irão baratear os custos, mesmo que isso signifique produzir menos.

Mesmo com soja da temporada anterior ainda por ser colhida, produtores como Ereno Giacomelli, de Mato Grosso, fazem o planejamento da compra de insumos do próximo ciclo. O agricultor já garantiu pelo menos 25% dos fertilizantes e sementes.

Segundo Giacomelli, a compra antecipada garante vantagens nos preços, embora, neste ano, a instabilidade da moeda americana tenha prejudicado as negociações. Como os produtos são todos fixados em dólar, as primeiras compras não foram muito vantajosas.

Para evitar novas surpresas, ele agora pretende fazer o restante das compras com mais cautela. Ao pesquisar insumos para a lavoura, ele afirma que percebeu preços de 12% a 14% mais altos que no ano passado. “Acredito que não vai parar por aí, e a nossa safra do ano que vem já está comprometida”, diz Giacomelli.

Aprosoja dá dicas de investimentos para produtor
De acordo com o Imea, com o aumento de 12%, o custo total de produção de soja vai passar a R$ 3.306 por hectare. “Não tem como fechar a conta”, afirma o produtor rural.

Silvino Bortollini, que acabou de colher a soja em sua propriedade, ainda não planejou a próxima safra. Mas pensa em reduzir os investimentos em tecnologia para baratear os custos, principalmente em fertilizantes. “Vamos ver o que o nosso caixa vai dar para comprar, e botar um pouco menos porque a variação do dólar está nos judiando”, diz.

O produtor rural, entretanto, reconhece que a uma redução significa menos produtividade amanhã. Do calcário que seria necessário aplicar, por exemplo, Bortollini acredita que provavelmente só será utilizada a metade. “Já vamos nos preparar para produzir menos que neste ano”, conforma-se.

Fonte:Canal Rural

Compartilhe!