RURAL- Brasil amplia abate de aves e suínos e reduz de bovinos

Avanços foram puxados pela demanda internacional enquanto recuo é explicado pela entressafra e exportação de animais vivos durante 2020

  • Frigoríficos gaúchos receberam 465,2 mil cabeças de gado no primeiro trimestre

    Frigoríficos gaúchos receberam 465,2 mil cabeças de gado no primeiro trimestre | Foto: Carlos Queiroz / CP Memória

    O abate de 6,56 milhões de cabeças de bovinos de janeiro a março deste ano foi o menor do período desde 2009 no Brasil e representa um recuo de 10,6% em relação ao primeiro trimestre de 2020. Na mesma comparação, o abate de 12,62 milhões de cabeças de suínos representou alta de 5,7% enquanto o de 1,57 bilhão de cabeças de frangos marcou avanço de 3,3%. Nestes dois itens, os números se constituíram também em recordes da série histórica da Estatística da Produção Pecuária, iniciada em 1997 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    No abate de bovinos, o Rio Grande do Sul foi o Estado com menor variação negativa no primeiro trimestre de 2021, contra igual período de 2020, recuando em apenas 0,8%. O presidente do Sindicato das Indústria de Carnes e Derivados no Estado (Sicadergs), Ronei Lauxen, avalia que a queda foi maior que a apontada pelo IBGE e estima que, no período, a média mensal de abates do Estado tenha passado de 190 mil para 150 mil cabeças. Lauxen atribui o desempenho negativo à entressafra e a fatores como a exportação de animais vivos durante o ano passado.
    No abate de suínos, o IBGE aponta crescimento de 6,1% nos números gaúchos, percentual com o qual o diretor-executivo do Sindicatos das Indústrias de Produtos Suínos do Estado (Sips), Rogério Kerber, concorda. Para ele, o volume é reflexo da demanda pela carne suína, principalmente para exportações.
    O abate de frangos no Estado teve crescimento de 3%, conforme a estatística, mas a Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) afirma que a produção diminuiu em cerca de 11%, em consequência das dificuldades que o setor enfrenta com a alta de custos.
    A Seção de Epidemiologia e Estatística da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural informa que, entre janeiro e março de 2021, o Estado abateu 465,2 mil bovinos, 230 milhões de frangos e 2,54 milhões de suínos. Os números são calculados de acordo com os registros da Guia de Trânsito Animal.

    Danton Júnior

    Fonte : Correio do Povo

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.