RIO GRANDE DO SUL – Perdas na safra ainda podem aumentarRIO GRANDE DO SUL – Perdas na safra ainda podem aumentar

Prevendo perdas provocadas pela estiagem nos primeiros meses do ano, a agropecuária flerta com resultados mais preocupantes com a expectativa de falta de chuva em março. Na terça-feira, a Emater estimou que a colheita de grãos no Estado chegará a 28,72 milhões de toneladas, queda de 13,8% em relação às 33,3 milhões de toneladas projetadas e de 8,8%, se comparado ao ciclo do ano passado.

– A cada dia que passa agrava ainda mais a nossa principal cultura, que é a soja. Hoje, estamos com estimativa de 16% na redução. Isso foi até o dia 28 de fevereiro. Se a gente demorar 10, 15 dias para ter chuva, a situação se agrava mais – avalia o secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho.

Ajuda

O chefe da pasta diz que é cedo para estabelecer a mudança do status de estiagem para seca, mas salienta que, com a atual situação, o Estado flerta com essa possibilidade, especialmente nas regiões Central e Vale do Rio Pardo, afirma Covatti Filho.

Para hoje, está prevista uma reunião entre o secretário da Agricultura e integrantes da bancada gaúcha em Brasília e deputados estaduais na Expodireto- Cotrijal (leia mais sobre a feira nas páginas 14 e 15). A busca por apoio federal no enfrentamento à estiagem estará na pauta do encontro.

Presidente da Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo, Rafael Reis Barros (PSDB), prefeito de Rio Pardo, afirma que a situação na região segue complicada. No município administrado por Barros, o interior é uma das áreas mais afetadas.

– É muita gente sem água. Estamos levando em uma bolsa que foi cedida pela Defesa Civil e botando nas cacimbas do pessoal, aqueles poços que algumas famílias têm em suas casas. Mas já está chegando em um ponto em que está começando a faltar água para o gado – descreve.

No fim da manhã de ontem, o coordenador da Defesa Civil estadual, Julio Cesar Rocha Lopes, recebeu prognóstico pessimista em reunião com técnicos da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema). No encontro, os especialistas afirmaram que a ausência de chuva mais encorpada no Estado deve seguir neste mês.

Previsão

A Somar Meteorologia prevê tempo seco em praticamente todo o Estado até o final da primeira quinzena de março. Na segunda metade do mês, a precipitação ocorre em algumas regiões, mas de maneira esparsa e em pequenos volumes.

– Em abril, já começa uma situação um pouco mais chuvosa no Rio Grande do Sul por conta de a gente estar no outono. A melhor chuva para o Estado é na primeira quinzena de abril. É mais volumosa, que atinge todas as regiões do Estado e pode dar um alívio – projeta a meteorologista da Somar Doris Palma.

Zero Hora

Compartilhe!