Rio Grande do Sul empobrece e perde importância no PIB nacional

Com dificuldade para acompanhar o ritmo do crescimento do País, o Rio Grande do Sul perde status na economia nacional. Fatores climáticos, dependência do campo e crise nas contas públicas são algumas das causas citadas por economistas para explicar o mau momento.

O Estado vem freando a participação da região Sul no PIB (Produto Interno Bruto) e foi o único, juntamente com São Paulo e Distrito Federal, a perder importância em relação a 1995. Os dados estão em estudo do IBGE divulgado em novembro.

Entre os anos 1990 e o início dos 2000, os gaúchos respondiam por 7,1% das riquezas produzidas no País. Em 2011, último ano analisado na pesquisa, o índice passou para 6,4%. Já o Centro-Oeste, região de novas fronteiras agrícolas, ganhou espaço.

Enquanto o Brasil experimentava crescimento acelerado de destaque mundial no meio da década passada, o Interior gaúcho enfrentou na época uma das maiores secas de sua história.

Com indústria vinculada ao meio rural por força da produção de máquinas e implementos agrícolas, a crise do campo gaúcho se espalhou por diversos setores. “É como se o Estado tivesse se atrasado em dois anos. Depois voltou a crescer, mas sem recuperar o atraso”, diz o economista Martinho Lazzari, da Fundação de Economia e Estatística (FEE).

O Plano Real, instituído em 1994, também pode ter influenciado esse fenômeno. Com a valorização da moeda provocada naquela época, o Rio Grande do Sul foi perdendo poder de exportação, tradicional componente da economia local pela proximidade com vizinhos como a Argentina, e contabilizou prejuízos.

A indústria calçadista, que tinha no Sul um de seus polos, decaiu. A aposta na integração econômica via Mercosul acabou frustrada pela crise argentina e pelas barreiras do vizinho ao comércio.

“O Mercosul começou em 1991 e até agora não cresceu como as autoridades imaginavam. Como o Rio Grande do Sul fica na ponta do País, poderia ter tido grandes benefícios”, diz Alfredo Meneghetti, professor de economia da Pucrs.

Débito com a União dificulta ação de governos na adoção de políticas para reduzir gastos

Se a conjuntura internacional não foi favorável, a situação política interna também contribui para as dificuldades da economia gaúcha. O Estado é proporcionalmente o mais endividado do País, com dívida superior ao limite legal de 200% da receita corrente líquida. Sem caixa, pouco consegue investir em infraestrutura e é prejudicado na guerra fiscal.

“Há pouco espaço para mexer na tributação. Santa Catarina ou Paraná podem, por exemplo, fazer uma política mais agressiva (para atrair empresas)”, diz Antônio da Luz, economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul).

As dificuldades financeiras marcaram as gestões dos últimos governadores. Desde 2003, os três principais partidos do País se revezaram no governo estadual: PMDB, PSDB e PT. O problema, no entanto, persiste.

O governador Tarso Genro (PT) disse em dezembro que só concorrerá a um novo mandato se o Congresso Nacional aprovar um novo indexador das dívidas dos estados. O texto já passou pela Câmara dos Deputados e comissões do Senado. A expectativa é de que seja aprovado no plenário ainda fevereiro.

Tarso, pouco após assumir o governo, tentou fazer mudanças na Previdência do Estado, área citada pelo próprio governo como um dos maiores gargalos financeiros, mas enfrentou reiteradas contestações na Justiça.

Uma das principais bandeiras do petista no mandato é a atração de investimentos privados para o Estado, como quadruplicação da produção de celulose da CMPC em Gauíba – o aporte da empresa chilena é de R$ 5 bilhões – e a construção de plataformas de petróleo para a Petrobras.

Fonte : Jornal do Comércio