Ricardo Alfonsin comenta sobre a questão de demarcação de terras indígenas em todo o Brasil

1378239706609

Dr. Ricardo Alfonsin comenta o pronunciamento do governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro durante a abertura oficial da Expointer 2013 na última sexta, dia 30. O governador reconheceu que os produtores estão titulados em suas terras e que a Funai não pode escolher as áreas que quer demarcar para os indígenas. Essa questão está gerando um grande conflito não só no Rio Grande do Sul, como em todo o país. A partir disso Ricardo afirma que os políticos envolvidos na questão não têm interesse na manutenção do conflito porque isto está atingindo o seu eleitorado. Isso tudo decorre de uma legislação pouco clara, onde há uma promessa do governo de mudar o sistema, assim como o do legislativo, que promete criar uma comissão para estudar e modificar a forma que está tratando a questão indígena em todo o Brasil.

Fonte: Ruralbr

Um comentário em “Ricardo Alfonsin comenta sobre a questão de demarcação de terras indígenas em todo o Brasil

  1. Dr. Ricardo Afonsin, sabemos que terras que passam por discriminatórias, consideradas como terras devolutas, não são de origem paroquial.
    Estes processos tem se arrastados na justiça ao longo dos anos, e à forma encontrada para solucionar as questões foram exercidas na apresentação da cadeia dominial, comprovando a origem paroquial, provando ser propriedade de dominio particular, pois a origem da propriedade esta nos doctos.
    Assim como a cidade de São Paulo, com o descobrimento do Brasil, na época éra terra indigena, pelo que sou descendentes, para a minha sorte todos os meus antepassados evoluíram nas terras paulistas, que são de origem paroquial, jamais posso requerer as terras do PARQUE IBIRAPUERA para mim,
    se isto for ocorrer vai haver uma guerra civil ou revolução no Paiz.
    As autoridades devem verem que problemas de terras indigenas vão acabar provocando esta querra civil, porque não estão exercendo as leis devidas, somos na maioria descendendes de indios, nem por isto podemos serem donos
    de terras que tem origem paroquial, comprovado pelos anos da aquizição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *