Responsabilidade pela situação também é de produtor e da indústria, afirma diretor

“Setor produtivo só quer pegar o bom, o que lhe interessa”, afirma Carbonell
A falta de recursos para cuidar do maior germoplasma de café do Brasil não é responsabilidade apenas do Estado. Indústria e cafeicultores também têm participação no quadro de deterioração do banco genético do Instituto Agronômico de Campinas (IAC). A crítica é do diretor do IAC, Sérgio Augusto Morais Carbonell, para quem falta diálogo e organização da cadeia produtiva.

"Há um discurso de todo o segmento dizendo que germoplasma é a coisa mais importante do mundo, mas não se vê aproximação de discurso e ação. Temos 30 projetos de café, mas nenhum envolve manutenção de germoplasma", diz.

"De mil acessos [plantas] no germoplasma, 50 são bons, outros são medianos e muitos são ruins do ponto de vista de uma característica genética desejada. E somos obrigados a manter todos porque o que é ruim hoje, amanhã pode ser bom. Mas o setor produtivo só quer pegar o bom, o que lhe interessa – e rápido. Não há a noção de que é preciso fortalecer a infraestrutura de base para que a parte científica possa agir", afirma o diretor.

Carbonell diz que essa falta de compreensão se explica, em parte, pela falta de uma política para setor, capaz de orientar o que é prioritário e canalizar os aportes. O que há hoje, afirma, são projetos individuais, cada qual com interesses próprios.

Segundo ele, nem o Consórcio Pesquisa Café, montado nos anos 1990 para criar um projeto nacional de pesquisa e desenvolvimento de café, avançou nessa visão de cadeia produtiva. "O que temos hoje? Um fundo, para onde vai parte do dinheiro arrecadado com venda de café, que financia uma carteira de projetos baseados em editais. Mas cada pesquisador faz o que acha importante. Então o consórcio é uma reunião de projetos".

Em 2015, o IAC teve orçamento de R$ 73,7 milhões, montante que tem se mantido no mesmo patamar nos últimos anos. Apenas metade vem do Estado, o resto de parcerias e convênios. Questionada, a Secretaria de Agricultura afirmou que tem cobrado o apoio das entidades do setor para obtenção de recursos para a conservação do germoplasma.

Por Bettina Barros | De Campinas

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *