REFORÇO NO CAMPO | Pronaf terá R$ 21 bilhões para crédito

Governo federal amplia limites de financiamento e reduz juros para a agricultura familiar, além da criar agência para apoio rural

Responsáveis por 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, pequenos produtores celebraram o anúncio de mais recursos e juros menores no Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/2014. A iniciativa que gera mais expectativa, porém, é a agência que atenderá a reivindicação de levar tecnologia ao pequeno produtor.
Na cerimônia que marcou os 10 anos do plano, em Brasília, a presidente Dilma Rousseff assinou o projeto de lei que cria a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater).
– Produtores serão capazes de produzir mais em uma área menor ou igual, com maior produtividade e eficiência – ressaltou Dilma.
Apesar de dúvidas sobre o funcionamento da Anater, anunciada pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, a iniciativa foi elogiada.
– Lutávamos há anos por assistência. É a grande novidade do plano – avaliou Alberto Broch, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
Composto por R$ 39 bilhões, o plano destina R$ 21 bilhões para crédito por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), 16% a mais em relação à safra anterior. A estimativa do governo é que os gaúchos captem R$ 4,7 bilhões desse crédito. O seguro foi o ponto criticado. Para Celso Ludwig, coordenador da Fetraf-Sul (entidade que reúne trabalhadores na Região Sul) os valores não deveriam se limitar a R$ 7 mil, mas cobrir todo o prejuízo que o produtor tiver com as perdas.
Dez anos atrás, no primeiro plano safra da agricultura familiar, a cerimônia contou com depoimentos, inclusive do Rio Grande do Sul. Na época, de Sananduva, Rosane Dalsoglio falou de seus planos. Hoje, ela conta que linhas adequadas ajudaram a família a prosperar. Além da área própria, arrendou mais 40 hectares e adquiriu máquinas para as lavouras e para a ordenha.
*Colaborou Caio Cigana
rodrigo.saccone@gruporbs.com.br

RODRIGO SACCONE* | Brasília

PRINCIPAIS NÚMEROS

– Plano Safra 2013/2014: R$ 39 bilhões

– Pronaf: R$ 21 bilhões

LIMITE DE FINANCIAMENTO

– Custeio: R$ 100 mil

– Investimento: R$ 150 mil

– Suinocultura/avicultura/fruticultura: R$ 300 mil

– Investimento em grupo: R$ 750 mil

TAXA DE JUROS AO ANO

– Custeio:

1,5% até R$ 10 mil

3% de R$ 10 mil a R$ 30 mil

3,5% de R$ 30 mil a R$ 100 mil

– Investimento:

1% até R$ 10 mil

2% de R$ 10 mil a R$ 150 mil

Multimídia

            Fonte: Zero Hora

            Deixe uma resposta

            O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *