Redução no valor da soja pode resultar em lucro R$ 2 bilhões menor para os produtores gaúchos

Valor é o menor ganho nos últimos três anos

por Caio Cigana

Atualizada em 21/10/2014 | 05h1621/10/2014 | 05h05

Redução no valor da soja pode resultar em lucro R$ 2 bilhões menor para os produtores gaúchos Fernando Gomes/Especial

Duarte prepara a terra para receber a oleaginosa, em Santo Ângelo, mas reduziu a renovação de máquinasFoto: Fernando Gomes / Especial

A queda no preço da soja, somada ao aumento dos custos de produção, vai impor aos agricultores gaúchos, na safra 2014/2015, o menor ganho nos últimos três anos. Caso se confirmem as projeções da Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro) sobre faturamento com a venda do grão e os valores gastos para formar as lavouras, o lucro dos sojicultores no Rio Grande do Sul será de cerca de R$ 3 bilhões. No ciclo anterior, com a cotação nas alturas, a estimativa de margem é de R$ 5 bilhões.
Veja como o El Niño pode influenciar na safra 2014/2015
Com ganhos mais apertados em relação às duas safras anteriores, resta aos agricultores — além de torcer por condições climáticas favoráveis — gerenciar melhor os custos e fazer uma boa gestão de riscos, enfatiza o superintendente da Fecoagro, Tarcisio Minetto. Entre os instrumentos à disposição, os produtores podem ao menos travar os preços com a venda futura de parte da safra — e assim garantir que os custos serão cobertos. Ao mesmo tempo, é necessário fazer uso racional dos insumos para não gastar mais do que a terra necessita.

— Mas não se deve abrir mão de investir em tecnologia. Isso pode baixar a produtividade — ressalta Minetto.

Comércio será afetado

A retração nas cotações da soja, diz Luiz Fernando Roque, consultor da Safras & Mercado, se deve sobretudo à expectativa de aumento da produção, principalmente nos Estados Unidos. O preço médio do grão no Estado, apurado na semana passada pela Emater, é de R$ 52,97 a saca de 60 quilos, 20% abaixo de um ano atrás. A esperança para elevar a rentabilidade é a expectativa de que os preços comecem a reagir.

— Acreditamos que a cotação está batendo no fundo do poço. As supersafras americana e brasileira já estão precificadas e não têm como cair mais do que US$ 9 o bushel (equivalente a 27,2 quilos) — estima Roque.

A alta do dólar, diz o consultor, pode mais ajudar do que atrapalhar. Isso porque os insumos, em grande parte atrelados à moeda americana, foram comprados com certa antecedência, sem tanta influência do câmbio. No momento das aquisições, a conversão foi mais favorável ao agricultor.

A projeção de rentabilidade menor também coloca em alerta comércio no interior do Rio Grande do Sul. O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado (FCDL), Vitor Koch, ressalta que o desempenho do campo, que tem a soja como locomotiva, é fundamental para o setor. Tanto pela maior circulação de dinheiro quanto pela influência psicológica que causa no consumidor:

— Se a rentabilidade diminuir em torno de 40%, vai impactar. Não em relação à inadimplência, mas será preciso desenhar uma nova estratégia em relação a preços e prazos para as pessoas continuarem consumindo.

Investimentos estão sendo postergados

Sem baixar a guarda no uso de tecnologia, a saída ensaiada por produtores para reduzir custos é postergar investimentos, principalmente em máquinas. O produtor Claudio Duarte, de Santo Ângelo, planejava trocar dois tratores e duas plantadeiras por equipamentos novos, mas optou por substituir apenas um de cada quando fez as contas e levou em consideração o cenário de remuneração da soja.

O ânimo menor para ir às compras aparece nos números da indústria de máquinas agrícolas, setor que tem mais da metade da fabricação nacional no Rio Grande do Sul. De janeiro a setembro, as vendas de tratores caíram 15,6%. Nas colheitadeiras, a retração chega a 22,8%. Diminuir o uso de insumos como fertilizantes e defensivos, por outro lado, não foi cogitado por Duarte. A compra antecipada também ajudou o produtor a fugir de um desembolso maior.

— Desde a Expointer, o que escutamos é que os agricultores estão mais reticentes e vão postergar os investimentos em novas máquinas. Mas não vejo os produtores diminuindo o uso da tecnologia para baixar custos — observa Duarte, lembrando que, se a rentabilidade tende a ser menor, a melhor saída para um resultado melhor é apostar na produtividade.

Dados do Sindicato da Indústria de Adubos do Rio Grande do Sul (Siargs) indicam que, mesmo com o lucro menor em comparação com as duas últimas safras, os agricultores não deixaram de valorizar a tecnologia. Até agosto, a venda de fertilizantes no Estado somou 2,3 milhões de toneladas, 3% a mais do que o acumulado no mesmo intervalo de 2013.

— Com esse preço baixo da soja, mais do que nunca é preciso buscar produtividade. E, para isso, é preciso tecnologia — diz o presidente da entidade, José Carlos Cavalheiro Carvalho.

Para Duarte, mesmo que o quadro não seja assustador, a margem menor pode ter reflexos negativos para os produtores do noroeste do Estado que renegociaram dívidas de safras anteriores — afetadas por estiagens — e que ainda têm parcelas a pagar.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *