Receita e resultado líquido da Coamo crescem em 2012

Julio Bittencourt/Valor / Julio Bittencourt/Valor
Gallassini: para este ano, a meta é receber 120 milhões de sacas de grãos

O ano de 2012 foi melhor que o previsto para a Coamo, maior cooperativa agrícola da América Latina, que tem sede em Campo Mourão (PR) e atuação no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Graças aos bons preços dos grãos, sua receita chegou a R$ 7,15 bilhões no exercício, o que representa crescimento de 19,9% na comparação com igual período do ano anterior. As sobras destinadas aos cooperados somaram R$ 195 milhões, com incremento de 22% ante 2011.

Ano a ano a cooperativa tem batido recordes e, embora em 2012 sua direção tenha chegado a contar com queda nas receitas, devido à estiagem, o resultado final foi superior até mesmo ao previsto na virada do ano. Em dezembro, ao antecipar a distribuição de R$ 62 milhões em sobras aos 25 mil cooperados, o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, informou que a receita poderia chegar a R$ 6,7 bilhões. Foi maior. "Deu uma seca muito grande, mas os preços compensaram", comentou ele.

As cooperativas do Paraná investiram nos últimos anos em industrialização e os resultados têm aparecido. Além da Coamo, outras quatro representantes do Estado anunciaram receitas superiores a R$ 2 bilhões em 2012. São elas a C.Vale, de Palotina (R$ 3,26 bilhões), a Cocamar, de Maringá (R$ 2,36 bilhões), a Lar, de Medianeira (R$ 2,28 bilhões) e a Agrária, de Guarapuava (R$ 2,10 bilhões).

Com o clima mais favorável, o otimismo é grande para 2013. A Coamo tinha como meta para 2012 receber 100 milhões de sacas de grãos, mas produziu 10 milhões de sacas a menos de soja e conseguiu 94,9 milhões de sacas no ano. Agora, a intenção é chegar a 120 milhões de sacas de grãos, sendo dois terços na safra de verão, que já teve metade da produção colhida em sua área de atuação.

"É uma meta bastante arrojada", disse o executivo e produtor, que ainda não arrisca falar na receita prevista para o atual exercício. "A coisa está caminhando bem em volume e os preços continuam bons, mas o resultado vai depender ainda da safrinha de milho e da safra americana de grãos."

A Coamo está com 52 obras em andamento, entre ampliações e melhorias, entre elas a construção de entrepostos em Dourados (MS) e Cruzmaltina (PR). A cooperativa contratou a obra de um moinho de trigo que já está com os equipamentos comprados e que deve ficar pronto no segundo semestre de 2014. Ele faz parte do programa de investimentos de R$ 275 milhões entre 2012 e 2014.

No ano passado, a receita com exportação da cooperativa foi de US$ 1,12 bilhão, mas há um trabalho em andamento para que ela seja maior, especialmente para a Ásia. Na segunda-feira, Gallassini assinou convênio com a Zen-Noh (Federação de Cooperativas Agrícolas do Japão) para fornecimento de produtos agrícolas para aquele país.

O primeiro navio para lá sairá na próxima semana do porto de Paranaguá (PR) com 50 mil toneladas de milho. "A China continua sendo nosso principal destino de exportação, mas iremos diversificar os nossos negócios no continente asiático", diz o executivo. As exportações da Coamo em 2012 somaram 2,81 milhões de toneladas, o que representa aumento de 8,7%.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3023892/receita-e-resultado-liquido-da-coamo-crescem-em-2012#ixzz2M6VHrLE9

Fonte: Valor | Por Marli Lima | De Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *