Receita agrícola vai crescer menos em 2012, projeta RC

Fonte:  Valor | 

Claudio Belli/Valor/Claudio Belli/Valor
Fabio Silveira, da RC Consultores: receita agrícola crescerá menos em 2012

As turbulências financeiras concentradas na Europa, a difícil recuperação da economia americana e os reflexos dessa combinação sobre o crescimento de países emergentes e sobre os preços das commodities deverão resultar em um crescimento modesto da receita agrícola ("da porteira para dentro") das principais lavouras brasileiras em 2012, conforme projeções divulgadas na sexta-feira pela RC Consultores.

Segundo o economista Fabio Silveira, da RC, os grãos (soja, milho, trigo, algodão, arroz e feijão, entre outros), deverão render receita conjunta de R$ 107,3 bilhões em 2012, 1,4% mais que em 2011 – quando o valor deve crescer quase 30% em relação a 2009 e alcançar sua máxima histórica, como apontam todos os levantamentos do gênero. Somadas as lavouras perenes, como cana, café, laranja e fumo, a receita das lavouras tende a subir para R$ 228,1 bilhões em 2012, 3% acima do ano passado.

Segundo a RC, a receita total continuará a ser puxada pela soja, seguida por café, cana e milho. Para todos esses "líderes" – açúcar e etanol, no caso da cana -, a previsão de Silveira é de preços internacionais médios menores em 2012 do que neste ano, mas graças a volumes maiores de produção e vendas antecipadas em algumas cadeias, as receitas poderão subir. Trata-se, porém, de um cenário bem menos otimista que exigirá cautela por parte dos produtores brasileiros, especialmente os que foram impulsionados nos últimos anos pela alta das exportações.

Esse mesmo cenário está no radar do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA). Na semana passada, a entidade enviou às principais autoridades agrícolas da região um diagnóstico indicando que, ainda que os países da América Latina e do Caribe estejam todos vulneráveis à crise nos países desenvolvidos, seus reflexos negativos tendem a ser mais sentidos por países exportadores de alimentos no curto prazo, por causa da queda de preços no mercado internacional, e pelos importadores no médio e longo prazos, em virtude da provável redução da produção derivada de preços menos estimulantes.

"A região não é uniforme em termos de sua capacidade de resposta ante uma crise, dado que alguns países são mais vulneráveis que outros por suia condição de alta dependência da importação de alimentos e de energia, baixas reservas monetárias e elevados níveis de endividamento e déficit fiscal", afirma documento assinado por Víctor M. Villalobos, diretor-geral do IICA. Conforme Villalobos, nos últimos dois anos os países da América Latina e do Caribe registraram em geral forte recuperação após as rachaduras globais provocadas pela quebra do banco Lehman Brothers, em setembro de 2008, graças ao fluxo de capital para a região, preços recordes das exportações de produtos básicos e expansão do crédito interno, mas uma freada é quase inevitável.

Em 2010, lembra o IICA, a região cresceu, em média, 6%. Para 2011, projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI) já reduz a taxa para 4,5%, e o instituto acredita possível que em 2012 a expansão regional fique abaixo de 4%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *