Receio e prevenção em lavoura do Norte gaúcho

Produtor de Carazinho afirma ter encontrado helicoverpa armigera na propriedade

Receio e prevenção em lavoura do Norte gaúcho Diogo Zanatta/Especial

Produtor Paulo Alberto van Lieshout diz ter encontrado espécie na lavoura em Carazinho, no Norte gaúcho Foto: Diogo Zanatta / Especial

Joana Colussi

joana.colussi@zerohora.com.br

Semelhante às demais lagartas que atacam as lavouras, a Helicoverpa armigera não pode ser identificada a olho nu. Embora tenha algumas características específicas, como pontuações pretas ao longo do corpo, apenas exames laboratoriais têm condições de diferenciar as espécies. Apesar de ainda não ter recebido a confirmação da Embrapa, o produtor Paulo Alberto van Lieshout, 48 anos, não têm dúvidas de ter encontrado a espécie ameaçadora em Carazinho, na Região Norte.

— Em Goiás, onde também planto soja, identificamos a lagarta. Trata-se da mesma espécie que causou danos nas lavouras daqui e de lá — relata o produtor, com propriedades de 500 hectares de soja no Rio Grande do Sul e outros 500 hectares no município goiano de Luziânia.

A identificação da lagarta em solo gaúcho, conforme Lieshout, deu-se em janeiro deste ano, quando a soja estava em processo de floração. A espécie encontrada foi encaminhada para a Embrapa de Passo Fundo.

— Coletamos alguns exemplares e criamos até chegar à fase adulta. O gene é da Helicoverpa, resta saber se é a espécie armigera. É prematuro afirmar com certeza neste momento — aponta o pesquisador Paulo Pereira.

Independentemente do resultado, o produtor de Carazinho está disposto a se prevenir com inseticidas liberados para combater a praga.

— Fizemos esse controle na safra passada em Goiás e funcionou. Não vou esperar a lagarta atacar toda a lavoura para me proteger — disse.
LEIA MAIS:
Risco de avanço da lagarta helicoverpa deixa produtores gaúchos em alerta
Identificar lagarta é primeiro passo para prevenção

VÍDEO: Saiba como combater a temida lagarta


MAPA: Onde a praga atingiu as lavouras brasileiras

Fonte: Zero Hora

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *