Real fraco favorece agronegócio, dizem especialistas

O agronegócio brasileiro registrou crescimento nos anos em que o dólar se fortaleceu em relação ao real, observou ontem Ivan Wedekin, diretor-geral da Bolsa Brasileira de Mercadorias.

Em debate sobre os efeitos da desaceleração da economia sobre o agronegócio, na Feicorte, Wedekin afirmou que dólar valorizado significa maior receita em reais para um setor com vocação exportadora – sobretudo em segmentos como os da soja e o de carnes.

Segundo ele, o segmento da carne bovina é particularmente beneficiado com a alta do dólar, já que os insumos utilizados na produção são pouco afetados pelo câmbio.

Em contrapartida, ponderou, o câmbio mais fraco afeta os custos de insumos como fertilizantes e defensivos, cujos preços são atrelados ao dólar, e o endividamento das empresas que tomam recursos no exterior.

O diretor da BBM ponderou que, durante os últimos anos em que o dólar ficou mais baixo frente ao real, o agronegócio foi beneficiado pelos altos preços das commodities no mercado internacional – cenário que começou a mudar com a sinalização de recuperação da safra de grãos dos Estados Unidos e a tendência de queda das cotações em dólar em virtude da valorização da moeda americana.

Também presente ao debate, o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles disse que o recuo dos preços das commodities agrícolas em dólar é uma das consequências da desaceleração da economia mundial, que tende a gerar uma queda moderada de demanda.

Meirelles, que preside o Conselho Consultivo da J&F (holding que controla o frigorífico JBS), disse que o agronegócio brasileiro não está "imune" à desaceleração, mas se disse otimista sobre as perspectivas de o país se beneficiar do crescente consumo de carnes na China.

Apesar das boas perspectivas para o setor, Wedekin observou que o agronegócio brasileiro não pode perder o patamar de consumo interno em um momento em que não há mais grande potencial de incremento dessa demanda, pois a ascensão das classes sociais ocorreu diante de uma economia estabilizada nos últimos anos. "O país não pode perder o benefício da inflação baixa. É a hora da gestão", afirmou, referindo-se à necessidade de políticas para "colocar a inflação no lugar".

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3169572/real-fraco-favorece-agronegocio-dizem-especialistas#ixzz2Wr4QgB18

Fonte: Valor | Por Carine Ferreira | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *