Quem perde é o produtor

O trabalho no campo ainda é uma incógnita para muitos que vivem nas grandes cidades. O segmento industrial de máquinas agrícolas sabe muito bem como funciona a rotina de quem ganha a vida na lavoura debaixo da incerteza dos fenômenos naturais, principalmente a falta de chuva. Na zona rural, os reflexos da escassez interferem diretamente na vida do produtor. Como integrante do “Conselhão” do governo gaúcho, propus a criação do Programa Mais Água, Mais Renda, em 2012, para ajudar o produtor a enfrentar a estiagem, problema recorrente no Estado.
O programa agilizou o processo de licença ambiental para construção e regularização de açudes nas propriedades rurais de até 10 hectares de área alagada e implantação de sistemas de irrigação de até 100 hectares, o que é considerado de baixo impacto ambiental. Até o fim de 2013, foram protocolados 2.577 pedidos de projetos de irrigação na Secretaria da Agricultura, e os investimentos previstos ultrapassaram R$ 305 milhões, algo inédito no País, o que representa 66 mil hectares novos irrigados. Lamentavelmente, a Fepam revogou as Licenças de Operação 1990 e 1991, uma decisão unilateral que desconsiderou toda a atuação do grupo de trabalho oficial do Estado.
Entre os itens excluídos, estão a captação direta de água em curso hídrico, inviabilizando o aproveitamento de águas de rios (que se não utilizadas vão direto para os oceanos) usadas nas lavouras de arroz, e o impedimento da construção de açudes, que permitia a armazenagem de água a partir dos rios intermitentes, que secam numa época do ano. A Fepam foi convidada a participar do nosso grupo de trabalho, mas não se pronunciou e não participou do processo. Sempre adotamos uma postura proativa, enquanto entidade representativa, e uma visão sistêmica e integradora em nome do Rio Grande do Sul. A Fepam tomou uma decisão que traz perdas significativas para o Estado. Esperamos que a instituição reavalie o seu posicionamento em benefício da coletividade.

Presidente do Simers

Fonte: Jornal do Comércio | Claudio Bier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *