QUEBRA NA SOJA – Safra de grãos na Argentina deve totalizar 127,5 mi de toneladas em 2020/21

Segundo a Bolsa de Cereais de Rosário, a safra de grãos menor nesta temporada é resultado da quebra em importantes culturas, como a soja

A produção de grãos da Argentina está estimada em 127,5 milhões de toneladas em 2020/21. Segundo a Bolsa de Cereais de Rosário, o volume é o terceiro maior da história do país. O milho é o principal grão produzido, com 50 milhões de toneladas. A safra de soja é estimada em 45 milhões de toneladas.

grãos de soja, milho e café

Montagem: Canal Rural

Conforme a Bolsa, a queda foi motivada pelas quebras nas principais culturas, uma vez que a área tem crescido nos últimos anos, atingindo, nesta temporada, o recorde de 38,7 milhões de hectares. O maior aumento aconteceu no sorgo, que cresceu 430 mil hectares e chegou a 950 mil hectares. A maior queda aconteceu no trigo, que caiu 300 mil hectares ano a ano, devido a problemas climáticos. A principal queda na produtividade foi a da soja, o que fez com que a produção da oleaginosa caísse mais de 5 milhões de toneladas.

  • As exportações de grãos e subprodutos em 20/21 devem totalizar 93,4 milhões de toneladas, o que equivale a 73,25% da produção. Desse total exportado, 56,8 milhões devem ser de grãos, cereais, e oleaginosas, enquanto 36,6 milhões de toneladas devem ser de produtos industriais derivados do processamento. Sendo assim, 39% das exportações de grãos da Argentina têm algum grau de processamento industrial. Esse valor vem caindo em relação os picos registrados em 2013, principalmente devido à maior exportação de milho e trigo.

    Por outro lado, a expectativa é de que 39,9 milhões de toneladas de grãos e subprodutos sejam destinados ao consumo interno. Desse total, estima-se que 21,1 milhões de toneladas de grãos acabarão sendo consumidos no campo, sem passar pelo circuito comercial. Neste consumo “no campo”, estima-se a produção de sementes, do grão que se destina ao consumo animal, balanceado e o consumo das fábricas para expulsão de oleaginosas.

    O restante do consumo doméstico, 18,8 milhões de toneladas, é estimado como “origem industrial”. Considera-se consumo de origem industrial a produção de grãos beneficiados que não são exportados. Dentro deste grupo está o consumo interno de origem industrial que vem da “indústria do óleo”, 4,2 milhões de toneladas (farinha de soja e óleo que vêm de grandes fábricas por método de extração, biodiesel, glicerina, lectina e outros subprodutos) e 14,7 milhões de toneladas de moinhos, balanceada e outras, entre as quais está a produção de malte, farinha de trigo e tanto a seco quanto a úmida e a produção de etanol a partir do milho.

    Por Agência Safras

    Fonte : Canal Rural

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *