Quebra na safra de soja do RS prejudicará produção de biodiesel e óleo para consumo humano

Grão menor repercute no peso final do produto entregue

Sirli Freitas

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

Com a quebra da safra devido à seca, inadimplência deverá começar a aparecer em julho

Por falta de chuva, algumas regiões do Rio Grande do Sul têm apresentado grão de soja de tamanho menor, repercutindo no peso final do produto entregue, o que terá efeito direto na economia do Estado. O presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro), Rui Polidoro Pinto, alerta que a quebra reduzirá a capacidade do grão na produção de biodiesel e óleo para consumo humano.

– Serão 12 milhões de toneladas de grãos a menos circulando na economia. As cooperativas já estão perguntando se vai haver nova prorrogação de prazo para pagamento de financiamentos nos bancos – informa Polidoro.

O presidente da Fecoagro acredita que a inadimplência começará a aparecer em julho, quando os financiamentos de máquinas e o custeio de safra estarão vencendo, após a prorrogação concedida pelo governo federal.

– Infelizmente, a soja terá um baque no valor bruto de produção. O quadro não é o mesmo em todo o país, mas na região Sul o problema existe e, além da quebra quantitativa, as deficiências qualitativas se transformarão em perda econômica – avalia Polidoro.

Fonte: Ruralbr | ZERO HORA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *