Quarteto ‘ABCD’ une forças em logística

ADM, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus Company (LDC) anunciaram ontem uma iniciativa conjunta para padronizar e digitalizar o transporte global de commodities agrícolas. Em comunicado, o quarteto "ABCD", o mais poderoso do agronegócio mundial, afirmou que tecnologias digitais emergentes, incluindo blockchain e opções de inteligência artificial, estão sendo estudadas para reduzir os processos intensivos em recursos e tempo associados à cadeia global de valor das commodities agrícolas.

Entre outros aspectos, a parceria irá focar na automatização de processos de execução da pós-venda de grãos, ainda hoje feitos manualmente. Segundo as empresas, esses processos impõem altos custos todos os anos com a transferência de documentos de uma parte a outra do mundo. Conforme as empresas, a eliminação de ineficiências levaria a tempos de processamento de documentos, de espera e de contratação de ponta a ponta mais curtos.

No longo prazo, as empresas querem aumentar a confiabilidade, a eficiência e a transparência, substituindo outros processos manuais baseados em papel vinculados a contratos, faturas e pagamentos, com uma abordagem mais moderna e baseada em dados digitais. "Estamos satisfeitos por nos unirmos no esforço de promover a modernização e a padronização de dados e documentos na cadeia de valor global do agronegócio. Trabalhando juntos para projetar e implementar uma transformação digital, traremos centenas de anos de conhecimento e experiência coletivos para simplificar processos e reduzir erros para o benefício de toda a indústria", disse Juan Luciano, presidente e diretor executivo da ADM.

Em janeiro deste ano, a LDC concluiu a primeira transação de commodities agrícolas por meio do blockchain, mostrando a capacidade da tecnologia de gerar eficiências e reduzir o tempo normalmente gasto no processamento manual de documentos e dados. "Ao trabalhar com a indústria para adotar dados e processos padronizados, podemos aproveitar verdadeiramente todo o potencial das tecnologias emergentes para melhorar o comércio global", acrescentou Ian McIntosh, CEO da LDC, em nota.

Entre os benefícios citados estão a maior visibilidade nos movimentos da cadeia de suprimentos que sustentam as transações, a melhoria da qualidade e confiabilidade de documentos e dados, e a compatibilidade com outros aplicativos que suportam soluções eletrônicas e digitais.

Por Bettina Barros | De São Paulo

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *