Qual é a quantidade de proteína no capim-elefante?

 

Fonte:Embrapa

Uma leitora de Santa Catarina fez várias perguntas a respeito da planta. Um pesquisador da Embrapa traz as respostas

A leitora Viviane Narte, de Jaraguá do Sul (SC), escreveu para o Canal Rural e fez várias perguntas a respeito do capim-elefante. São elas: “Qual a quantidade de proteína no capim-elefante roxo e verde (napier)? Qual a época de colheita com maior quantidade de proteína? Após a produção da silagem, quanto se mantém dessas proteínas? Qual a quantidade de proteína e carboidrato na silagem do milho?”.

Para obter as respostas, a equipe do Jornal da Pecuária falou com Antonio Vander Pereira, pesquisador da Embrapa. Ele preparou as respostas abaixo, em vídeo e texto:

Prezada produtora,

Não existe uma diferença no teor de proteína do capim-elefante apenas em função da cor da planta. Entretanto, existem significativas diferenças entre cultivares, havendo algumas com melhor valor nutritivo que outras. Normalmente, as variedades com maior relação folha/caule apresentam melhor valor nutritivo. Por exemplo, a BRS Kurumi, cultivar de porte baixo e entrenós curtos, apresenta alta relação folha/caule e teores de proteína variando entre 18 e 20%, e digestibilidade entre 68 e 70%.

É importante ressaltar que, quanto mais nova a planta, melhor o valor nutritivo. Por outro lado, a planta somente alcança o máximo de produtividade entre 70 e 110 dias de crescimento.  Assim, o ideal é colher o capim-elefante quando ele apresenta a melhor relação entre produção de forragem e valor nutritivo. De forma geral, recomenda-se colher o capim-elefante para uso picado verde, entre 50 e 70 dias de crescimento e com cerca de 100 dias para produção de silagem.

A forragem da planta inteira da cultivar BRS Capiaçu apresenta média de 8% e 6% de proteína bruta aos 70 e 100 dias de crescimento, respectivamente. A silagem de milho normalmente apresenta entre 7% e 8% de proteína bruta e valor energético (nutrientes digestíveis totais – NDT) de 63%; enquanto a silagem de capim-elefante, feita com plantas colhidas com 100 dias, o teor de proteína fica em torno de 5,3% e o valor energético em torno de 47%. Assim, a silagem de capim-elefante apresenta menor valor energético e necessita de maior suplementação com concentrados.

Considerando que o custo da silagem de capim-elefante é cerca de 30% do valor da silagem de milho, o seu uso pode ser economicamente vantajoso, mesmo com a maior necessidade de uso de concentrados.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *