Própolis verde inibe bactérias na fermentação de etanol

Fonte: Globo Rural

Estudo busca redução de prejuízos causados por contaminação

por Globo Rural On-line

Editora Globo

A pesquisa busca um antimicrobiano natural que não deixe resíduo nas leveduras

De acordo com pesquisa realizada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/Esalq), o extrato deprópolis, resina natural produzida pelas abelhas, tem potencial para ser utilizado no controle dos contaminantesbacterianos presentes nas fermentações etanólicas.
Atualmente, os processos industriais de produção de álcoolexistentes no Brasil reutilizam o fermento em ciclos consecutivos. Paralelamente, o excedente da ação fermentativa é seco e comercializado, principalmente no mercado externo, como ingrediente para ração animal.
As práticas mais utilizadas nas indústrias para reduzir acontaminação por bactérias são o tratamento ácido do creme de levedura e a aplicação de antibióticos. "No entanto, desde que foram detectados altos níveis deresíduos de antibióticos na levedura destinada à ração animal, seu uso tem sido evitado pela comunidade internacional", comenta a engenheira agrônoma Ellen Karine Diniz Viégas.
No programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Ellen avaliou a atividade antimicrobiana do extrato da própolis sobre as bactérias do gênero Lactobacillus fermentum e Bacillus subtillis, que são alguns dos contaminantes da fermentação alcoólica. "Buscamos reduzir prejuízos causados pela contaminação durante o processo fermentativo, além de buscar um antimicrobiano natural que não deixe resíduo nas leveduras", contou a pesquisadora.
Apesar do antimicrobiano comercial ter apresentado maior eficiência na redução da contaminação, o extrato de própolis proporcionou redução de 54,24% e 67,02% para Lactobacillus e Bacillus, respectivamente. "Embora estes números sejam expressivos, para utilização da própolis como antimicrobiano natural no controle dos contaminantes da fermentação etanólica, são necessários estudos acerca da viabilidade econômica", pondera a autora do trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *