Programa estadual de olivicultura será lançado dia 29

Em 2014, área gaúcha cultivada com oliveiras alcançava 1.400 hectares

Em 2014, área gaúcha cultivada com oliveiras alcançava 1.400 hectares

A Secretaria da Agricultura e Pecuária, através da Câmara Setorial da Olivicultura realiza, há meses, junto com toda a cadeia produtiva, a estruturação do Programa Estadual de Desenvolvimento da Olivicultura, que será lançado na próxima quarta-feira, dia 29, no Palácio Piratini, em Porto Alegre. O programa, que tem apoio da Emater, Mapa, Embrapa e prefeituras, visa à expansão e consolidação da olivicultura no Estado, proporcionando suporte em defesa sanitária, pesquisa e assistência técnica, crédito e industrialização.
Até o final de 2014, o Rio Grande do Sul contava com aproximadamente 1.400 hectares de área cultivada e cinco fábricas de azeite de oliva em operação, sendo o estado com maior potencial de crescimento da cultura de oliveiras no País. Hoje, a produção gaúcha se concentra principalmente na Campanha e na Fronteira-Oeste. Naquele ano, foram colhidas mais de 300 mil toneladas de frutos, a maior parte destinada à produção de azeite, rendendo cerca de 33.000 litros do produto. O Brasil importa mais de R$ 1 bilhão em azeites e conservas, e o estado gaúcho apresenta o maior potencial para substituir parte desta evasão de divisas com azeite nacional.
No seminário de estruturação do programa estadual de olivicultura, que ocorreu em março, foram criados quatro grupos de trabalho que desenvolveram diretrizes sobre defesa sanitária, produção de mudas, pesquisa e assistência técnica, industrialização e crédito rural, que serviram de base para o texto final. "O Rio Grande do Sul é o maior produtor de oliveiras do País e tem amplo espaço para crescimento. Por isso, verificamos a necessidade de se fazer uma radiografia da olivicultura no Estado. Queremos agora ampliar a qualidade e a produtividade para fomentar o consumo de nosso produto gaúcho. Com este programa, a Secretaria poderá coordenar ações integradas com os atores envolvidos visando ao desenvolvimento mais amplo do setor, diz o secretário da Agricultura e Pecuária, Ernani Polo.

FERNANDO DIAS/DIVULGAÇÃO/JC

Fonte : Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *