Produtos carecem de normas adequadas

Com a expansão do mercado de fertilizantes especiais no país, a Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo) trabalha para que os produtos consigam obter registros adequados.

Ainda não existem normativas "claras", e nestas esses produtos são apenas mencionados, segundo GilbertoPozzan, diretor de fertilizantes foliares e micronutrientes da entidade. Para ele, os fertilizantes especiais não podem ser classificado como adubos comuns nem como defensivos. "Quem sabe no futuro poderemos ter o registro de bioativador, bioindutor, algumas categorias dentro de biofertilizantes", diz.

O coordenador do Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas do Ministério da Agricultura, Hideraldo Coelho, explica que atualmente os biofertilizantes seguem a legislação dos fertilizantes comuns. Outros produtos, como aminoácidos, não participam das normativas porque ainda não foram apresentados à instituição estudos científicos que comprovem o funcionamento e sua eficácia.

Coelho diz que é muito difícil chegar a um consenso científico de classificação desses produtos como fertilizantes ou defensivos. Mas confirma que a legislação atual de registro está defasada por ser de 1980. "A gente acredita que esses produtos são bons, mas exigiria mudança na lei". (CF)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2801952/produtos-carecem-de-normas-adequadas#ixzz24SzqkBTJ

Fonte: Valor | Por De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *