Produtor teme riscos, mas pede o benzoato Alerta

Frente aos alertas ambientais e às incertezas sobre o risco do uso do benzoato de emamectina à saúde, produtores gaúchos de soja divergem sobre os rumos do combate à Helicoverpa armigera no Estado. Antecipando-se, a Aprosoja-RS protocolou pedido ao Ministério da Agricultura (Mapa) para que seja decretada emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul. Com isso, seria possível adotar o agroquímico nas lavouras. O pedido, feito ao secretário de Política Agrícola, Neri Geller, não tem caráter oficial, mas é visto como instrumento de pressão.

Segundo o gerente da Defesa Vegetal da Secretaria de Agricultura, José Candido Motta, somente o Estado tem ingerência sobre o processo. ‘Se chegar ao ponto de decretar emergência fitossanitária, faremos sem titubear, mas para isso precisamos de elementos técnicos que ainda não temos’, afirma. De acordo com ele, a situação está sob controle e ainda não há nenhum indício que desperte alarde. A Seapa está elaborando plano de trabalho para sair à campo na segunda quinzena de dezembro e monitorar as lavouras até o final da safra.

O próprio presidente da Aprosoja-RS, Décio Teixeira, titubeia ao falar sobre o uso do químico no campo. ‘Temos que estar com o pé atrás, precisamos defender a população. Por enquanto ainda não tenho mais detalhes, por isso tenho medo’, reconhece. Segundo ele, antes de aplicar o produto, o sojicultor precisa avaliar os riscos mundo afora.

Já a Comissão de Grãos da Farsul realiza reunião hoje, em Não-Me-Toque, para definir posicionamento sobre a importação do benzoato. ‘Técnicos vão apresentar e colher informações para tomarmos uma medida’, pontuou o diretor Jorge Rodrigues.

A liberação de importação do benzoato de emamectina, produto contestado por ambientalistas e desautorizado pela Anvisa, gera dúvidas sobre os malefícios à saúde humana. De acordo com a pesquisadora Raquel Rigotto, da faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, além da evidência científica de neurotoxicidade, com prejuízo ao sistema nervoso, há suspeitas de que o benzoato seja um agente teratogênico, capaz de alterar células reprodutivas e gerar fetos com anomalias. Até agora, o Mapa já autorizou a importação do benzoato de emamectina para a Bahia, Minas Gerais e Piauí.

Segundo a Anvisa, o benzoato é um químico neurotóxico, ou seja, que afeta o sistema neurológico de seres vivos;

Sua aplicação mata todos os organismos vivos presentes na superfície e até 10 cm solo adentro;

Há suspeitas de que o benzoato seja um agente teratogênico, capaz de alterar células reprodutivas e gerar fetos com anomalias.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *