Produtor defende imposto ambiental

Fonte: Correio do Povo

A cobrança de uma taxa ambiental é uma das alternativas apontadas por instituições ligadas ao campo, como Fetag e Emater, para viabilizar a remuneração de agricultores que adotarem boas práticas de manejo e preservação. O assessor de Política Agrícola da Fetag, Alexandre Scheifler, defende um rateio com a sociedade. "Sabemos da necessidade de adequação ambiental para que traga seguranças jurídica, mas muitos agricultores terão ônus", argumentou.
O assistente técnico da Emater Dirceu Slongo, reconhece que só a conscientização não basta. "É preciso um estímulo prático para que as medidas legais sejam adotadas, e eles continuem morando e produzindo no campo."
Experiências sobre pagamento por serviços ambientais foram apresentadas, ontem, na primeira audiência pública sobre o tema na Assembleia Legislativa. Além de citar exemplos de Minas Gerais, Santa Catarina e São Paulo, o ex-presidente da Fepam Cláudio Dilda detalhou o caso de Nova Iorque, que deixou de investir em estações de tratamento ao optar pela remuneração dos que preservam nascentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *