Produtor de suíno abandona atividade

Dados da Acsurs revelam suspensão de terminação em 30 propriedades

 Restrições externas podem afetar produção e abate em 2013, diz Abipecs<br /><b>Crédito: </b>  BETO HACHMANN / CP MEMÓRIA

Restrições externas podem afetar produção e abate em 2013, diz Abipecs
Crédito: BETO HACHMANN / CP MEMÓRIA

A s dificuldades na suinocultura gaúcha, agravadas pelo recente bloqueio argentino às exportações e o embargo russo que fecha um ano em junho, está levando criadores a abandonar a atividade. Conforme dados da Acsurs, 30 produtores independentes deixaram o setor em 2012. É caso de Izidoro Conte, de Paim Filho. Com pocilgas para a terminação de 3 mil animais e, após 50 anos no ramo, a sociedade familiar irá encerrar a área de suinocultura neste mês, mantendo a produção de grãos. Na decisão, pesou o preço inferior ao custo. Os R$ 2,15 recebidos pelo quilo vivo não cobrem os R$ 2,60 do custo. "A gente não vê luz no fim do túnel. A Argentina reduziu a importação, a Rússia parou de comprar e o mercado está saturado."
Segundo o presidente da Acsurs, Valdecir Folador, quem está pagando a conta das indefinições é o produtor. "A situação é dramática." Conforme recente levantamento feito pela entidade neste mês, o preço caiu 15% ao produtor independente e 5% ao integrado em comparação com o mesmo período de 2011, quando as restrições dos principais clientes não existiam.
Hoje, devem sair dados sobre o embarque de cortes até abril. No primeiro trimestre, as exportações caíram 47,66% para a Argentina e 64,38% para A Rússia, ante o mesmo período de 2011. O presidente da Abipecs, Pedro de Camargo Neto, acredita que em 2013 haverá redução de abate. "O prejuízo de hoje terá reflexo na produção futura." Já o diretor executivo do Sips, Rogério Kerber, avalia que o setor tem conseguido redirecionar parte da produção e buscar outros caminhos. Hoje, por exemplo, Hong Kong e Ucrânia são os principais destinos. O Ministério da Agricultura limitou-se a informar que o cenário ainda é de indefinição.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *