Produtividade desacelera na última década

A despeito do extraordinário desempenho econômico do agronegócio, a produtividade das lavouras brasileiras cresceu em ritmo mais lento – ou mesmo caiu – na última década. De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o rendimento das plantações de grãos e fibras cresceu, em média, 2,56% entre as safras 2003/04 e 2012/13, ante 4,24% nos dez anos anteriores.

As dificuldades impostas por novas pragas (como a ferrugem da soja), mudanças no uso da terra e barreiras à incorporação de novas tecnologias levaram a ganhos mais modestos no campo.

Carro-chefe do agronegócio, a soja explicita essa tendência. Na última década, a produtividade média da cultura cresceu, em média, 1,03% ao ano, ante uma taxa de 2,89% entre 1993/94 e 2002/03 e de 3,69% entre 1983/84 e 1992/93.

Quando se observam apenas as colheitas de Mato Grosso, onde o desempenho das lavouras está menos sujeito às intempéries do clima, o rendimento das lavouras de soja cresceu a um passo ainda mais lento – de apenas 0,41% ao ano na última década, ante 1,91% e 2,86% nas duas décadas prévias.

"De modo geral, vimos uma tendência à estagnação. Se não revertermos isso, teremos problema, especialmente se os preços da soja caírem dos níveis atuais", afirma Orlando Martins, presidente do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), uma organização privada financiada por empresas de pesquisa agrícola que promove ações com o objetivo de aumentar o rendimento dos campos de soja.

Segundo Martins, há pelo menos duas razões pelas quais a produtividade da soja perdeu fôlego nos últimos anos. A principal causa é sanitária e está atrelada à chegada da ferrugem asiática no Brasil, que castigou a cultura nos primeiros anos da década passada. "Os produtores conseguiram controlar a doença com fungicidas, mas sempre há alguma perda. Além disso, o controle químico possui efeitos colaterais sobre o potencial da planta", explica.

Martins também destaca o aumento dos problemas causados pelas nematoides, uma praga que ataca a raiz das plantas e sobre as quais os produtores rurais ainda têm pouco controle.

A segunda causa, afirma o representante do Cesb, é o avanço da "safrinha", o plantio de milho e algodão após a colheita da soja em Mato Grosso. Nos últimas cinco temporadas, o Estado mais do que dobrou o cultivo de milho em áreas ocupadas por soja no cultivo de verão.

"Por causa da safrinha, os produtores vêm antecipando o plantio e usando sementes mais precoces de soja, que são menos produtivas que as de ciclo mais longo". Em outras palavras, os produtores estariam sacrificando rendimentos mais elevados em troca da oportunidade de plantar duas safras – o que, na prática, significa dobrar a produtividade da terra e do maquinário.

De todo modo, o especialista afirma que o rendimento da soja no Brasil está bastante aquém de seu potencial. Em lavouras experimentais, produtores do Paraná e da Bahia colheram na última safra mais de 6 toneladas de soja por hectare – mas que o dobro da média nacional, de 2,9 toneladas – em um concurso de produtividade promovido pelo Cesb. Na média, as 140 áreas de teste monitoradas pela entidade colheram 4 toneladas por hectare.

As taxas de produtividade do milho cresceram a um ritmo quatro vezes mais rápido (4,23%) que o soja na última década, embora ainda inferior ao alcançado nos dez anos anteriores (5,17%). De acordo com a Conab, o país colheu, em média, 5,1 toneladas do grão por hectare plantado na última safra – um recorde.

Os ganhos de produtividade no milho se intensificaram especialmente nas últimas cinco safras, o que reflete a expansão da cultura em Mato Grosso (entre os produtores mais tecnificados) e os crescentes investimentos em tecnologia em resposta aos estímulos de preço.

Contudo, o Brasil ainda está muito distante dos patamares alcançados nos Estados Unidos, onde a produtividade média dos milharais oscila em torno de 10 toneladas por hectare – uma taxa já alcançada pelos produtores brasileiros de ponta. Ou seja, o Brasil tem potencial para pelo menos dobrar sua produtividade.

Na outra ponta, a cana-de-açúcar, segunda cultura com maior peso no valor da produção agrícola do país, vive uma situação dramática do ponto de vista da produtividade, que efetivamente caiu nos últimos anos. Em 2004, os canaviais do Centro-Sul renderam, em média, 86,5 toneladas de cana por hectare, segundo dados da indústria. Dez anos depois, em 2013, essas áreas devem resultar na colheita de 83,7 toneladas por hectare – uma queda de 3,23%.

"Foi praticamente uma década perdida. Houve uma enorme dificuldade em canalizar os recursos globais das grandes companhias de tecnologia agrícola, como Monsanto, Basf, Syngenta, para a cana-de-açúcar", William Burnquist, diretor de Melhoramento Genético do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC).

Com uma área global de 20 milhões de hectares, a cana-de-açúcar é um mercado ainda pequeno em relação a culturas como a soja, que hoje ocupa mais de 100 milhões de hectares em todo o mundo.

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, nos últimos 10 anos, foram registradas apenas 77 novas variedades de cana no mercado, ante 1.576 de milho e 743 de soja. Menos até que culturas economicamente menos relevantes como o trigo, com 114 novas variedades, e algodão, com 84.

De fato, o desenvolvimento de novas variedades para cana é mais complexo (a cana tem 120 cromossomos, enquanto o milho apenas 20). E quando é desenvolvida, a cultivar precisa ser testada por pelo menos cinco anos para provar seu desempenho ao longo de todo o seu ciclo – uma desvantagem considerável em relação às culturas anuais.

Mesmo quando demonstram seu potencial nos campos de teste, as novas variedades de cana podem demorar vários anos para ocupar seu espaço no mercado. Isso porque a produção de mudas é mais lenta, observa Burnquist. "Enquanto um hectare de mudas de cana resulta em cinco a seis hectares de plantio comercial, um hectare de semente de milho é suficiente para cultivar até 200 hectares", compara.

Além disso, a taxa de renovação dos canaviais é de apenas 15%, o que impõe um limite natural à introdução de novas plantas. "No milho, o potencial de renovação é de 100% ao ano", afirma Burnquist.

Outro agravante é que a área plantada com cana-de-açúcar cresceu mais de 50% na última década. Burnquist explica que a expansão geralmente ocorre das áreas mais produtivas para as de menor potencial. "Manter a produtividade com crescimento de área é um esforço grande".

O algodão é outra cultura cuja expansão da produtividade vem perdendo fôlego. Na última década, a taxa média de crescimento foi de 2,49%, ante 14,5% na década anterior. Além disso, todo o ganho concentrou-se na primeira metade do período analisado. Nas últimas cinco safras, o rendimento médio das plantações caiu, em média, 0,51% ao ano.

A commodity teve ganhos excepcionais de produtividade entre o fim da década de 1990 e início dos anos 2000. Saiu do patamar de 467 quilos de pluma por hectare, em 1997, para quase 1,4 mil quilos por hectare em 2006/07. O avanço se deu, sobretudo à migração da cultura do Sul para o Centro-Oeste, onde as terras planas permitiram o uso intensivo de tecnologia pelos produtores com um perfil empresarial, explica o pesquisador de entomologia da Embrapa Algodão, Carlos Alberto Domingues da Silva.

Já no fim dos anos 1990, a produtividade brasileira superou a dos Estados Unidos, o maior exportador global da pluma – lá, a colheita rende cerca de 900 quilos de pluma por hectare, pelo menos 35% menos que no Brasil. "Os Estados Unidos usam muita tecnologia, mas as áreas de alguns de seus principais Estados produtores têm déficit hídrico, o que afeta diretamente o rendimento da planta", explica Jean Belot, pesquisador do Instituto Mato-grossense de Algodão (IMA).

Segundo Belot, os ganhos de produtividade do algodão foram parcialmente comprometidos pela decisão dos agricultores de Mato Grosso, maior produtor nacional, de cultivá-lo após a colheita da soja, fora da janela considerada ideal do ponto de vista do potencial produtivo.

"Nos últimos cinco anos, o algodão saiu da primeira safra para a segunda safra em Mato Grosso", observa o pesquisador. "A tendência é que haja uma estagnação da produtividade da pluma no país em detrimento de um maior uso da terra".

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3296794/produtividade-desacelera-na-ultima-decada#ixzz2h8No5G4o

Fonte: Valor | Por Fabiana Batista e Gerson Freitas Jr. | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *