Produção de soja poderá ser a menor em três anos

O clima quente e seco em janeiro nas principais regiões produtoras do país levou a consultoria AgRural a cortar novamente sua estimativa para produção de soja no país em 2018/19. Segundo números divulgados ontem, a colheita deverá somar 112,5 milhões de toneladas, 5,7% menos que em 2018/17. Se o número for confirmado, a produção brasileira do grão será a menor em três anos.

Essa é uma das projeções mais pessimistas já divulgadas para a safra de soja em 2018/19, ficando atrás apenas da estimativa da INTL FCStone, de 112,2 milhões de toneladas. A consultoria Safras & Mercado ainda prevê 115,7 milhões de toneladas e a Agroconsult avalia que serão produzidas 117,6 milhões de toneladas. Hoje, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgará atualização nas estimativas. O último número divulgado pela estatal apontou para 118,8 milhões de toneladas.

"O clima continuou muito quente e seco em vários Estados, principalmente Mato Grosso do Sul, Goiás e também no Matopiba [confluência entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia]", afirmou Adriano Gomes, analista da AgRural.

De acordo com o boletim a Rural Clima, as chuvas voltam com mais força à região central do Brasil nesta semana, o que deve melhorar a umidade do solo na região.

"Na Argentina, uma nova frente fria já avança e leva chuvas para grande parte da região norte do país e essa frente está aos poucos avançando sobre o Uruguai", afirmou Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da Rural Clima.

Segundo ele, há previsões de chuvas em grande parte da região Centro-Sul do Brasil a partir de hoje.

Ao longo desta semana, novas áreas de instabilidade associadas à passagem de uma frente fria pela região Sudeste, deverão manter o tempo instável e com chuvas a qualquer hora em parte da região central do país. "Principalmente, sobre as regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Paraná", avaliou Santos.

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

Fonte : Valor