Produção de alimentos sem prejuízos ambientais desafia agronegócio

Fonte:  Canal Rural | ZERO HORA

Agricultura sustentável promete transformar o campo nos próximos anos ao conciliar alta produção e preservação da natureza

 

A crescente demanda por alimentos no mundo e a necessidade de produzir mais sem prejuízos ambientais desafia o agronegócio. O dilema evidencia a busca pela agricultura sustentável, que promete transformar o campo nos próximos anos ao conciliar alta produção epreservação da natureza.

Segundo estudo do Ministério da Agricultura, a produção de grãos no país deverá crescer 23% e chegar a 175,8 milhões de toneladas na safra 2020/2021. Quanto às carnes, bovina, suína e aves, a projeção é alta de 26,5%, acréscimo de 6,5 milhões de toneladas.

Crescimentos que devem ser acompanhados pelo Rio Grande do Sul, o terceiro maior produtor de grãos do país. No arroz, a alta pode chegar a 23,6%, enquanto que no trigo, a 20,6%.

Diante de um cenário de liquidez no campo, para o diretor da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Antônio Pinazza, se torna imprescindível o debate sobre formas de conciliar essa equação.

Os caminhos em busca desse equilíbrio serão discutidos na Universidade de Passo Fundo (UPF), no Rio Grande do Sul, entre 12 e 14 deste mês, no evento Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável e no Seminário Nacional para o Desenvolvimento do Agronegócio Sustentável.

Pinazza afirma que as mudanças climáticas, o aquecimento global e outros fatores mudaram a forma de se olhar para a agricultura, em especial quanto à preservação dos recursos naturais para as futuras gerações.

– Estamos diante de um enorme desafio. Há perspectiva de aumento brutal na demanda por alimentos até 2050, e o Brasil será um dos protagonistas. Será um dos cinco celeiros mundiais de exportação, mas o único em área tropical e com biomas diferenciados, o que exige boas práticas agrícolas – afirma.

A respeito dos grandes desafios do Brasil, ele relata que a tendência é de aumento na área para agricultura e o desafio é ter equilíbrio ecológico.

– Se o Brasil tiver queimadas, desmatamentos e outros problemas sofrerá barreiras não tarifárias. Por isso, deve desenvolver políticas agrícolas e buscar certificações para abrir as portas do mundo, o que passa por treinamento, conscientização e mudança de paradigmas.

Segundo Pinazza, o produtor sabe a importância de preservar o ambiente, mas essa consciência deve abranger todos os processos da cadeia produtiva.

– O conceito de sustentabilidade será cada vez mais amplo – ressalta.

De acordo com o especialista, o novo Código Florestal leva em conta que sustentabilidade é ambiente, mas também aspectos sociais e econômicos.

– É preciso buscar equilíbrio. Hoje, há uma rixa entre ambientalistas e agricultores, mas isso é uma falsa discussão, pois o produtor também é ambientalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *