Primavera de luxo na pecuária

Alta liquidez, novos investidores e preços superiores aos de 2012 já descontada a inflação do período. Esse foi o cenário na grande maioria das expofeiras e remates particulares realizados nesta primavera no Rio Grande do Sul. Levantamento feito pelo Correio do Povo nos 27 leilões acompanhados indica faturamento de R$ 27,98 milhões para 5.695 animais.

Ainda sem números oficiais, o Sindicato dos Leiloeiros Rurais do RS (Sindiler) projeta média de R$ 8 mil para os touros. A performance supera a expectativa otimista de crescimento de 15% a 20% feita antes da arrancada da temporada, em setembro. Em 2012, o circuito vendeu 4.674 reprodutores pela média de R$ 6.660,00. Na avaliação do presidente Jarbas Knorr, a redução da oferta de reprodutores, consequência do ‘aperto’ das áreas de pecuária, aliada à qualidade, sustentou a disparada em pista. Isso, combinado à estabilidade de preço das principais commodities e à participação de compradores do Brasil Central, garantiu bons negócios para os vendedores.

Para o leiloeiro Marcelo Silva, o cenário de preço alto vai longe, já que está atrelado ao que acontecer com a soja, fortalecida no mercado internacional. Ele acredita que, nos próximos cinco anos, os investidores pagarão cada vez mais caro para repor o gado. ‘A agricultura tende a tomar cada vez mais espaço. A pecuária vai encolhendo e, consequentemente, teremos preços mais altos. Eu prevejo que será uma época de ranger de dentes.’

No quesito preço, a raça Braford, queridinha nas pistas pelo seu alto potencial de adaptação e bom rendimento de carcaça, reeditou a liderança de média na terceira temporada seguida, com pico de R$ 12,6 mil. E a expectativa é que encoste na cola da europeia Angus, maior vendedora de touros da estação. Esses posicionamentos no ranking da primavera vêm desde 2010, quando o Sindiler passou a realizar a pesquisa.

O presidente da Comissão de Exposições e Feiras da Farsul, Francisco Schardong, também fez uma avaliação positiva da Primavera, que movimentou a economia no Interior e ficou dentro do esperado. Como impulsionador, destacou o crédito farto.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *