PREÇOS AINDA MAIS ALTOS – Arroba do boi é negociada abaixo da referência média na região Norte

A oferta de confinados segue tímida neste primeiro giro de confinamento, de acordo com as expectativas do mercado, avaliando os custos

Por Agência Safras

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis nesta quarta-feira. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos ainda indicam para algum conforto em suas escalas de abate, mas mesmo assim não conseguem exercer pressão efetiva sobre o mercado, uma vez que a oferta segue restrita em grande parte do país.

“Apenas em alguns estados foram evidenciadas negociações abaixo da referência média, com ênfase na região Norte. A oferta de confinados segue tímida neste primeiro giro de confinamento, de acordo com as expectativas do mercado, avaliando a elevação dos custos pecuários em 2021”, disse ele.

O cenário em torno da China é cada vez mais imprevisível, com o governo dificultando a divulgação de informações do agronegócio local. “Dados estratégicos como preços, produção, volume importado serão de difícil obtenção. Por enquanto, o único fato concreto é a consistente queda dos preços da suinocultura chinesa em 2021, situação que pode alterar seu padrão de compras no mercado internacional”, assinalou o analista.

Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 320, na modalidade à prazo. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 305. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 313, inalterada. Em Cuiabá, o valor chegou a R$ 309, inalterada. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 316 a arroba.

Atacado

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram de estáveis a mais altos. “O ambiente de negócios ainda sugere pela continuidade do movimento de alta, mesmo que isso ocorra de maneira moderada. A entrada dos salários na economia é o grande motivador da reposição entre atacado e varejo. A situação macroeconômica de momento mantém o consumidor médio centrado no consumo de carne de frango, proteína animal mais acessível neste momento”, disse Iglesias.

Com isso, o corte traseiro teve preço de R$ 21,05 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,30 o quilo e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,40 o quilo.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *