PREÇO ESTABILIZOU – Boi gordo: oferta restrita limita queda nos valores da arroba

Frigoríficos ainda se deparam com uma posição confortável em suas escalas de abate e seguem tentando realizar compras abaixo da referência média

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis nesta terça-feira, 13. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos ainda se deparam com uma posição confortável em suas escalas de abate e seguem tentando realizar compras abaixo da referência média. “A expectativa de uma reposição mais lenta entre atacado e varejo durante a segunda quinzena do mês reforça esse tipo de estratégia. Mas o volume de ofertas permanece restrito, o que limita movimentos mais agressivos de queda no curto prazo”, disse.

Enquanto isso, permanecem as incertezas acerca da situação chinesa. O relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) sinalizou para um processo mais lento de recomposição do plantel de suínos, sem alterar o rebanho inicial de matrizes. “O governo chinês retrata uma situação bastante diferente, com um amplo processo de recomposição. As informações acerca da evolução da peste suína africana seguem conflitantes, com o governo chinês ainda indicando para um maior controle sobre a doença, enquanto agências de notícias sinalizam para um rápido avanço da doença, que coloca em xeque a recomposição do plantel”, assinalou Iglesias.

Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 317, na modalidade à prazo, ante R$ 317 na segunda. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 305, estável. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 309, ante R$ 311. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 307 – R$ 308, contra R$ 309. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 311 a arroba, contra R$ 314.

Atacado

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem acomodados. “O ambiente de negócios sugere por menor espaço para reajustes no decorrer da segunda quinzena do mês, período que conta com menor apelo ao consumo, resultando em uma reposição mais lenta entre atacado e varejo. Importante mencionar que o consumidor médio ainda opta pela carne de frango como sua proteína de escolha, considerando os preços proibitivos da carne bovina nos últimos meses, principalmente os cortes do traseiro bovino”, assinalou Iglesias.

Com isso, o corte traseiro teve preço de R$ 21,05 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,30 o quilo e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,40 o quilo.

Por Agência Safras

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *