Postes abastecidos por fontes solar e eólica funcionarão ainda este ano

A prefeitura de Canoas esperava iniciar em abril uma experiência ecologicamente correta e sustentável. O objetivo era instalar dois postes de iluminação pública, abastecidos por energia solar e eólica, na rodovia BR-116, em frente à praça do avião. Porém, até o momento, essa medida não foi tomada. O secretário municipal do Escritório de Engenharia e Arquitetura, Carlos Todeschini, afirma que a ação será desenvolvida antes do final do ano.
O dirigente detalha que a importação de equipamentos e a montagem dos postes ficaram a cargo do Grupo Baram. Como as estruturas eram maiores do que o previsto, foi necessário replanejar a instalação, devido a questões de segurança. Todeschini adianta que a prefeitura está formatando o processo de licitação para contratar a empresa especializada que implementará os equipamentos em uma base sólida.
Cada poste contará com quatro luminárias LED de 100 watts, instaladas a 18 metros de altura. O sistema ainda é composto por uma turbina eólica (popularmente conhecida como cata-vento), com capacidade para 3 mil watts, e um painel solar para até 810 watts. A energia gerada pelos ventos e pelo sol é armazenada por baterias e depois usada na iluminação. Os postes não precisam estar ligados à rede elétrica convencional (algo opcional). O banco de baterias garante a alimentação das estruturas por até cinco dias, na ausência de vento ou sol. Essa solução também impede a queda de energia em situações de blecaute da rede comum.
Todeschini classifica o experimento (que será conduzido por, pelo menos, seis meses) como inovador e dentro do escopo dos projetos do governo de Canoas. Se comprovado o equilíbrio econômico-financeiro da tecnologia, o próximo passo é replicar a iniciativa. Em março, quando o acordo de cooperação técnica do projeto-piloto foi lançado, o prefeito Jairo Jorge salientou que, sendo aprovado o empreendimento, a meta seria trocar 220 postes que estão ao longo da
BR-116, dentro de Canoas.

Fonte : Jornal do Comércio | Jefferson Klein

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *