POLÍTICA – Oposição quer retomar tributação do agro na Reforma da Previdência

O líder, Alessandro Molon (PSB-RJ), disse que vai apresentar um destaque para que o texto-base volte a prever a cobrança

exportacao-acucar-paranagua (Foto: Ivan Bueno/APPA)Exportação de açúcar pelo Porto de Paranaguá (PR). Para o líder da oposição, deputado Alessandro Molon, Reforma privilegia o setor ao não tributar vendas externas para financiar o sistema previdenciário (Foto: Ivan Bueno/APPA)

O líder da oposição na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (PSB-RJ), disse, nesta terça-feira (9/7), que apresentará um destaque para a Reforma da Previdência retomar a tributação das exportações agropecuárias. Em postagem nas redes sociais, ele afirmou que o governo deixa de arrecadar R$ 83 bilhões para custear o sistema previdenciário. O que, na opinião do parlamentar, é um privilégio ao setor.

“É uma vergonha o governo dizer que está combatendo privilégios e então aprovar uma isenção de R$ 83 bilhões a ruralistas, ao mesmo tempo em que retira R$ 20 bilhões dos professores. Vamos fazer um destaque para retirar a isenção aos ruralistas”, disse Molon, em postagem feita em seu perfil no Twitter. O texto original da Reforma previa a cobrança de tributos sobre as exportações do agronegócio brasileiro. Mas, na madrugada da última sexta-feira (5/7), na votação na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, esse item foi retirado, acolhendo um destaque apresentado pelo deputado Jerônimo Goergen (Progressistas-RS) em nome de seu partido, do MDB e do PTB.

A decisão foi comemorada pela bancada ruralista, contrária à tributação. “A economia brasileira depende do sucesso na exportação dos produtos agropecuários. Numa semana em que recebemos a boa notícia da Acordo do Mercosul, não podemos tributar o setor que busca maior competitividade internacional”, disse, na última sexta-feira, o deputado Alceu Moreira, presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA).

Em 2018, as exportações da agropecuária brasileira totalizaram US$ 101,6 bilhões, 5,9% a mais que em 2017. As importações somaram US$ 14 bilhões, resultando em um saldo positivo de US$ 87,6 bilhões na balança comercial do setor.

POR REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : GLOBO RURAL