POLÍTICA – Ministério da Agricultura prepara plano nacional de proteínas alternativas

Ideia é lançá-lo em 2021, com prioridade ao plant-based e fomento à pesquisa e tecnologia. Tema será discutido durante workshop em março na Food Tech Expo

Alimentos plant-based à base de soja (Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

O Ministério da Agricultura pretende lançar ainda em 2021 um plano nacional de proteínas alternativas. O foco principal é o mercado plant-based, que se consolida no país com um crescimento rápido e sólido das vendas em supermercados e exportações.

Segundo Cleber Soares, diretor de inovação da pasta, o programa deve incluir fomento para pesquisa e tecnologia, mas o valor ainda não está definido. “Esse mercado está crescendo a todo o vapor, na média de 22% ao ano nos três últimos anos. É claro que tem o fator novidade, mas hoje o setor é uma realidade”, destaca.

Soares ressalta que diretrizes do plano serão debatidas em workshop no dia 19 de março, durante a 2ª edição da Food Tech Expo, evento 100% on-line que pretende reunir 80 startups do mundo todo ligadas ao setor de alimentação.

“A intenção é estimular o desenvolvimento não só de ativos, mas também de mercado e tecnologia. É preciso olhar tudo isso como oportunidade. Não dá para imaginar que o Brasil vai ser apenas um grande exportador de commodities. Por que não agregar valor transformando soja, feijão e grão de bico, por exemplo, em proteína?”, observa o diretor.

Idealizador e CEO do Food Teh Hub, que organiza a Food Tech Expo, Paulo Silveira aponta três pontos cruciais para o debate sobre o plano nacional: identificar as proteínas que Brasil é capaz de produzir em escala; fazer a tecnologia chegar até os produtores; e construir um banco de dados nacional sobre as matérias-primas e sua utilização.

“O plant-based é uma revolução e uma realidade. Precisamos ter um plano de proteínas alternativas para definir o que o Brasil é capaz de produzir e as tecnologias que serão aplicadas”, diz Silveira, que também revela a intenção de criar um hub físico para as foodtechs no país em um projeto que prevê investimento de US$ 2,5 milhões.

O debate sobre o plano nacional de proteínas alternativas será destaque no terceiro dia da Food Tech Expo, cuja primeira edição, realizada no ano passado, reuniu 40 startups de Brasil, Argentina, Chile, Inglaterra e Israel.

O evento começa em 17 de março, com exposição de foodtechs e palestras. No dia seguinte, haverá o Food Tech Global Challenge, competição global de startups que visa identificar empresas disruptivas e de impacto global nos sistemas alimentares.

LEANDRO BECKER

Fonte . Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *