Política Agrícola – Em workshop realizado pela CNA, produtores do sudeste propõem maior agilidade no zoneamento agrícola

Brasília (15/03/2016) – A principal demanda dos produtores rurais da região Sudeste, para integrar o Plano Agrícola e Pecuário 2016/2017, diz respeito à questão do zoneamento agrícola. Os agricultores e pecuaristas dos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo levaram à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) a expectativa por maior agilidade no processo.

Desde o início do mês, membros da Comissão Nacional de Política Agrícola da Confederação realizam nas regiões brasileiras workshop para levantar propostas de aperfeiçoamento de políticas agrícolas e pecuárias para o país. Nesta segunda-feira (14/03), na sede da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (FAEMG), as principais lideranças do setor, produtores rurais, representantes de sindicatos e federações de agricultura e pecuária da região participaram do encontro.

Para o superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, a discussão foi muito rica, principalmente porque a grande marca da produção agropecuária da região Sudeste, e em especial de Minas Gerais, é sua diversificação. Assim, tornando as demandas setoriais igualmente diversas, com necessidades de linhas específicas. “Um exemplo foi a questão do zoneamento agrícola, item muito destacado no encontro, a ser modificado dentro das linhas de governo com maior agilidade”.

Segundo Lucchi, também é grande a apreensão dos produtores em relação aos recursos financeiros disponíveis, em razão da conjuntura política e econômica do país. “A tomada de crédito, principalmente para investimentos, requer muita precaução. O ano deve mesmo ser balizado mais pelo custeio. Já prevemos muita dificuldade de disponibilização de recursos, então as propostas estão muito mais em torno do aperfeiçoamento dos sistemas que regem o crédito, com desburocratização e maior celeridade”, finalizou.

A coordenadora da assessoria técnica da FAEMG, Aline Veloso, explicou que, a partir da consulta aos sindicatos e Comissões Técnicas, a federação agregou às propostas itens específicos para cadeias como fruticultura, olericultura e diversas atividades de pecuária, visando a adequação de linhas de crédito como Inovagro, Moderinfra, Pronamp, PCA e ABC para melhor atenderem aos produtores. “Já antevemos um ano de crédito bastante conturbado, com taxas de juros altas e vimos contingenciamento para o seguro rural. Será importante divulgarmos informações para que os produtores tenham cautela e saibam avaliar o momento certo de investir”.

Ela destacou que o encontro foi importante também para receber informações e as demandas, reunidas pela equipe da CNA, nos encontros regionais: “São informações importantes para nos posicionarmos e retratar nossas realidades nas propostas. Continuaremos trabalhando em conjunto com a CNA para o Plano Plurianual e o Seguro Rural ao longo do ano”.

Workshop – Também foram debatidos assuntos decisivos para o setor, como: conjuntura econômica do país com foco no Plano Agrícola, crédito rural (volume de recursos e taxas de juros), política de garantia de preço mínimo, seguro rural, zoneamento agrícola de risco climático e demandas setoriais.

As propostas aprovadas nas reuniões regionais vão compor um documento que servirá de subsídio ao Ministério da Agricultura e Pecuária e Abastecimento (MAPA) para elaboração do Plano Agrícola e Pecuário. A equipe da CNA também está aproveitando os encontros regionais para colher propostas para a elaboração da Lei Agrícola Plurianual, que terá um encaminhamento diferente, fora do Plano Agrícola.

Assessoria de Comunicação CNA / Com informações da FAEMG

Fonte : Canal do Produtor