Plano Safra está vigorando com mais recursos e menos juros

O Ministério da Agricultura anunciou nesta quarta-feira a entrada em vigor do novo Plano Safra, que já pode ser acessado pelos produtores até o dia 30 de junho de 2021. O volume de recursos disponíveis é de R$ 236,3 bilhões – R$ 13,5 bilhões (6%) acima do financiamento entre 2019 e 2020. Do volume total de recursos, o governo prevê que o Plano Safra financiará até R$ 179,38 bilhões para custeio na lavoura, comercialização e industrialização e R$ 56,92 bilhões para investimentos – por exemplo, para a renovação de frota de uso na colheita e aumento de capacidade de armazenagem.

Otério, o volume do financiamento "contribuirá para garantir a continuidade da produção no campo e o abastecimento de alimentos no país durante e após a pandemia do novo coronavírus." O Banco do Brasil, principal agente financeiro do Plano Safra, vai destinar R$ 103 bilhões para a agricultura – 11% além do ofertado no período 2019-2020. Segundo o BB, todas as linhas de financiamento, de custeio ou de investimentos, tiveram redução das taxas de juros. O custo do crédito para produtores rurais inscritos no Pronaf vai variar de 2,75% a 4% ao ano para custeio e comercialização.

No Plano Safra do período anterior, a variação era de 3% a 4,6% ao ano. Houve redução dos juros também para produtores rurais assistidos pelo Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), de 6% para 5% ao ano. Para grandes produtores, a redução da taxa de juros no Banco do Brasil foi maior, em dois pontos percentuais: de 8% ao ano será de 6% ao ano.

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!