Plano Safra de Inverno pode sair atrasado

Setor sinaliza que data máxima para anunciar política é até abril

Hoje, produtores de trigo plantam sem garantias de políticas de apoio<br /><b>Crédito: </b> PEDRO LUIZ SCHEEREN / cp memória

Hoje, produtores de trigo plantam sem garantias de políticas de apoio
Crédito: PEDRO LUIZ SCHEEREN / cp memória

No forno do Ministério da Agricultura (Mapa) há pelo menos seis meses, o Plano Safra para as Culturas de Inverno corre o risco de abatumar neste ciclo agrícola. A promessa feita ao setor era que, pela primeira vez, o governo federal anunciaria volume de recursos, mecanismos de apoio à comercialização e preço mínimo antes do plantio. O secretário de Política Agrícola do Mapa, Caio Rocha, admite que o processo não é tão simples assim. Segundo ele, o lançamento do plano ainda não tem data prevista. O trabalho agora está concentrado na revisão do preço mínimo de produtos como trigo, alho, canola, cevada, entre outras culturas.
Hoje, produtores de aveia, canola, cevada e trigo acabam tendo que tomar decisões sem ter ideia das medidas previstas pelo Plano Agrícola e Pecuário, normalmente divulgado em meados de junho pelo Mapa. "Março é o mês limite para a decisão do produtor. Por isso, o governo teria que agir antes. Vamos ter problemas, pois, quando for anunciado, não terá efeito", avalia o professor da Unijuí, Argemiro Brum, destacando que os triticultores paranaenses estão prestes a dar a largada na safra 2012. Já para o presidente da Comissão de Trigo da Farsul, Hamilton Jardim, o prazo limite encerra-se daqui a um mês, em abril. Diante da expectativa de incentivo e da necessidade de recompor a renda perdida com a seca, ele acredita que a área semeada com o cereal no Estado pode aumentar.
O pleito do setor é que o seguro agrícola e a oferta de crédito em conformidade com o custo de produção estejam entre as medidas contempladas. "O produtor precisa de recursos para investir em tecnologia", afirma Jardim, ressaltando que o plantio do trigo no Estado inicia em maio.

Fonte:  Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *