Piloto do Programa Sentinela será lançado amanhã

O projeto-piloto do Programa de Vigilância Sanitária Animal de Fronteira – Sentinela, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), será lançado nesta quinta-feira, em Jaguarão.

Ele é fruto da integração entre os órgãos e as instituições de Defesa, Segurança e Sanidade Agropecuária em prol de ações para mitigação de risco sanitário e combate ao abigeato.

"O programa vem reforçar as barreiras de fiscalização na fronteira e preparar o Estado para a mudança de status sanitário para zona livre de aftosa sem vacinação", diz o secretário Covatti Filho.

Esse piloto, que vai ocorrer entre 18 e 24 de junho, vai monitorar a fronteira entre o Chuí e Dom Pedrito, abrangendo 10 municípios e uma área de 250 quilômetros, sendo Jaguarão a sede. A cidade fica no Extremo Sul do Rio Grande do Sul, na fronteira com o Uruguai.

No total do programa, vão ser disponibilizados 36 profissionais divididos em 12 equipes. Em cada bloco, três equipes realizarão revezamentos. Para o piloto, duas equipes irão atuar ao mesmo tempo, para levantar as demandas que serão necessárias para quando da inauguração do programa em efetivo.

O Programa Sentinela tem área de abrangência de 1,2 mil quilômetros, envolvendo 59 municípios nas fronteiras com Uruguai e Argentina, com 64.842 propriedades rurais e rebanho de 4,4 milhões de cabeças. A metodologia de trabalho prevê a distribuição das equipes e o gerenciamento das atividades em quatro blocos: Jaguarão, Santana do Livramento, São Borja e Santa Rosa.

O projeto conta com 12 equipes de três servidores, envolvendo 24 médicos-veterinários e 12 técnicos agrícolas. Utilizou-se de recursos de inteligência como análises de risco e análises de rede das movimentações animais na região de fronteira, numa faixa que vai desde o Chuí até Derrubadas. A equipe está dividida em quatro blocos, com cada equipe trabalhando oito dias consecutivos.

Comitês gestor e técnico executivo serão constituídos para a gestão do programa, que vai racionalizar ações de mitigação de risco e recursos disponíveis, para coibir atividades irregulares e ilícitas que possam representar ameaça à condição sanitária do Estado. A difusão de informação aos envolvidos e interessados deverá ajudar na consolidação de uma cultura de prevenção e biossegurança nas transações com animais na região.

A operacionalização se dará por meio de convênios entre a Seapdr e outras pastas e órgãos da administração do Estado e do governo federal.

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!