PESQUISA E TECNOLOGIA – Árvores reduzem doenças nas plantas e o uso de agrotóxicos nas lavouras, aponta estudo

Pesquisa feita por Embrapa, UFPR e Iapar mapeou as consequências da integração com floresta no cultivo de soja, milho e aveia

  • ilpf, integração,   (Foto: Cristiano Borges )

(Foto: Cristiano Borges )

A integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) contribui com a redução de doenças de plantas nas lavouras de grãos, tanto nas raízes quanto na parte aérea das plantas.

A conclusão é de pesquisas desenvolvidas pela Embrapa, em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e conduzidas em um experimento de longa duração do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

Os estudos também confirmaram que o manejo com ILPF permite reduzir a quantidade de agrotóxicos para controle de doenças, pois a presença da floresta ajuda a reduzir a sobrevivência de patógenos no solo e a intensidade de doenças foliares.

Os trabalhos de campo foram conduzidos em experimentos de longa duração em Ponta Grossa (PR), entre 2013 a 2016. Os resultados do estudo inédito foram publicados na edição de novembro de 2020 da revista internacional Agricultural Systems.

O artigo é assinado pelo engenheiro-agrônomo Alexandre Dinnys Roese, da Embrapa Agropecuária Oeste, em parceria com Erica Camila Zielinski e Louise Larissa May De Mio, ambas do Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Roese explica que o estudo foi direcionado tanto a doenças causadas por fungos que sobrevivem no solo quanto às foliares, cujos patógenos sobrevivem nos restos culturais e plantas voluntárias, podendo ser dispersos pelo ar, como é o caso das ferrugens.

Segundo a Embrapa, a pesquisa se destaca pelas contribuições relacionadas ao comportamento de doenças do solo nas lavouras de soja e milho e de doenças foliares nas lavouras de soja, milho e aveia.

O chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Agropecuária Oeste, Walder Antonio Nunes, chama a atenção para o fato de que essa descoberta científica contribui com melhorias dos sistemas de produção agropecuária.

“O uso da ILPF reduz a utilização de produtos químicos, resultado que está alinhado às diretrizes estabelecidas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015,” lembra.

Professor do Departamento de Fitotecnia e Fitosanidade da UFPR, Anibal de Moraes afirma que o planejamento é decisivo para a inserção de árvores no sistema de produção integrada. Segundo ele, é preciso levar em consideração o o que será implementado na área, bem como definir previamente a localização e os espaçamentos entre os renques de arborização.

“Se o objetivo for cultivo de árvores, busca-se uma maior densidade. Porém, se for o bem-estar animal e a qualidade do produto, prioriza-se a pastagem e, então, esse espaçamento entre as árvores deverá ser maior”, explica.

REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : GLOBO RURAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *