PESQUISA E TECNOLOGIA – Parceria visa aumentar uso de serviços espaciais na agropecuária

Acordo de cooperação técnica foi firmado entre Ministério da Agricultura e Agência Espacial Brasileira

+campo-interior-fazenda-rural-propriedade-terra-agro-agricultura (Foto: Fernando Martinho)

(Foto: Fernando Martinho)

O Ministério da Agricultura anunciou, nesta quarta-feira (7/10), um acordo de cooperação técnica com a Agência Espacial Brasileira (AEB) para o desenvolvimento de tecnologias e aplicações espaciais voltadas para a agropecuária. Em nota, o Mapa informou que o objetivo é causar impacto positivo sobre a produtividade e a qualidade no setor.

De acordo com o divulgado pelo Ministério da Agricultura, o trabalho conjunto tem como diretrizes promover a expansão do uso de produtos e serviços espaciais na agropecuária e incentivar a aquisição desses produtos e serviços. Outra meta é fazer com que o país se torne exportador de soluções para o setor.

“O resultado esperado é o estabelecimento de um novo patamar de alcance das tecnologias, produtos e serviços espaciais no setor. O Acordo de Cooperação Técnica tem abrangência nacional e visa atingir a iniciativa privada, a academia, os institutos de ciência e tecnologia e os demais atores relevantes do Sistema Nacional de Desenvolvimento de Atividades Espaciais (Sindae)”, diz a nota do Ministério.

A assinatura do acordo foi feita em uma reunião virtual. O presidente da Agência Espacial Brasileira, Carlos Moura, destacou que o acordo pode contribuir com a sustentabilidade da agropecuária brasileira.

“Nós vivemos em um mundo onde se fala muito sobre sustentabilidade, em como se produzir mais gastando menos, como exigir menos do meio ambiente, da Terra e da natureza, e como agredir menos usando menos defensivos. Faremos tudo o que pudermos como uma infraestrutura que ajude o Mapa e todas as entidades relevantes nesse processo a trabalharem melhor”, declarou, de acordo com o Mapa.

O diretor do Departamento de Inovação de Agropecuária do Mapa, Cleber Soares, avaliou que é uma oportunidade de ampliar o uso da tecnologia no campo.

“Hoje a tecnologia representa mais de 70% dos incrementos e dos inputs para avanço e produtividade na nossa agropecuária e no mundo, seja no uso, por exemplo, de tecnologias espaciais de forma clássica para sensoriamento remoto, monitoramento de cobertura vegetal, seja no modelo de leguminosas e vegetais”, disse, ainda conforme a nota do Ministério da Agricultura.

REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : GLOBO RURAL