Pecuaristas seguem à espera de investigações do Cade

Ruy Baron/Valor / Ruy Baron/Valor
"Todos querem lucro, mas o produtor também quer renda", afirmou Antenor Nogueira, da CNA. Segundo ele, cartel existiu no passado e não pode se repetir

Após quase cinco horas de discussões, a audiência pública realizada na Câmara dos Deputados para avaliar a concentração no segmento de frigoríficos de carne bovina no país terminou à espera dos resultados das investigações que estão sendo conduzidas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Em um universo de 200 casos, o conselho analisa oito operações de fusões e aquisições.

Alexandre Henriksen, representante do Cade presente ontem na audiência pública, disse que, nos últimos cinco anos, dez operações foram notificadas e aprovadas pelo conselho. Segundo ele, os pedidos de recuperação judicial que se seguiram à crise financeira internacional de 2008 influenciaram o aumento das fusões e aquisições no ramo.

A primeira reunião realizada após o lançamento do "novo Cade", em julho, aprovou três Acordos de Preservação de Reversibilidade de Operação (APROS) envolvendo compras de frigoríficos. O Apros serve para manter uma distinção de como eram as empresas antes da operação, caso a aquisição seja vetada.

A JBS está envolvida nas três. Uma em Rio Branco (AC), outra em Ariquemes (RO) e a terceira em São Miguel do Guaporé (RO) e Confresa (MT). Paralelamente, o Cade está realizando um estudo setorial com coleta de informações e mapeamento de cadeias produtivas para ter uma visão ampla do segmento.

Na reunião de ontem, foram levantados diversos motivos para justificar o baixo retorno financeiro de todos os elos da cadeia produtiva. Foi exaltada a necessidade de ampliação do marketing da carne bovina e foram pedidos mais transparência na relação pecuarista/frigorífico/varejo, combate firme ao abate clandestino e isenção de PIS/COFINS para toda a cadeia.

Para ajudar a "proteger" o produtor, a Confederação da Agricultura e Pecuária Nacional (CNA) está estudando uma metodologia que permita a criação de um seguro para o pecuarista, disse o presidente da Comissão Nacional de Pecuária da Corte da CNA, Antenor Nogueira. "Está sendo estudado pela CNA um seguro para trazer segurança ao produtor rural sem onerá-lo. A ideia é um mecanismo de defesa contra calotes de frigoríficos".

Sobre a suposta formação de cartel entre os frigoríficos, que negam a acusação, Nogueira disse que já foi comprovado que a prática existiu no passado e espera que ela não aconteça novamente. "Afinal, todos querem lucro, mas o produtor também quer renda", disse. Além disso, Nogueira informou que será criado o Conselho de Preços do Boi (Consebov), para contribuir para um melhor relacionamento entre os elos da cadeia.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2780156/pecuaristas-seguem-espera-de-investigacoes-do-cade#ixzz22xbUyKPp

Fonte: Valor | Por Tarso Veloso | De Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *