Parque do Gasômetro terá área verde delimitada

Ambientalistas e prefeitura da Capital retomam debate sobre área verde prevista no Plano Diretor de Porto Alegre

DESIRÉE FERREIRA/CMPA/JC

Reunião foi mediada por representantes do Legislativo e do MP

Reunião foi mediada por representantes do Legislativo e do MP

A reunião do grupo de trabalho que discute a criação do Parque do Gasômetro definiu, nesta quinta-feira, a instituição de um comitê técnico para delimitar geograficamente a nova área verde de Porto Alegre. Com a intermediação da Câmara Municipal e do Ministério Público (MP), a prefeitura da Capital e os movimentos sociais concordaram com a criação do comitê, que contará com representantes de lideranças comunitárias, órgãos estaduais e municipais e da sociedade civil organizada. O primeiro encontro está marcado para quarta-feira da próxima semana.
Previsto desde a revisão do Plano Diretor de Porto Alegre, aprovada em 2009 e sancionada em 2010, o parque deveria ter sido instituído através de uma legislação específica, mas o Executivo não enviou o projeto para a Câmara. O assunto voltou ao centro do debate público no início do ano, quando a prefeitura começou o corte de árvores no entorno da Usina do Gasômetro e na praça Júlio Mesquita para a duplicação da avenida Beira-Rio. A previsão inicial era remover 115 árvores. Após protestos de associações de moradores, ecologistas e uma ação do MP, a Justiça suspendeu o corte das oito árvores da Júlio Mesquita, por integrarem o projeto original do parque, e autorizou o corte dos vegetais ao longo do traçado da Beira-Rio, nas proximidades da Câmara. A controvérsia sobre a remoção das últimas árvores deverá ser solucionada após a criação da lei que define o parque. A tendência é de que a praça Júlio Mesquita seja reduzida para a duplicação da avenida e que o parque se inicie na Praça Brigadeiro Sampaio e se estenda até a área que atualmente é propriedade da Companhia de Estadual de Energia Elétrica (CEEE), localizada entre a Washington Luiz e a João Goulart, em frente à Câmara.
Além disto, existe a possibilidade da construção de passarelas que façam a ligação entre o parque e a Usina do Gasômetro ou a construção de túnel subterrâneo para os carros, deixando parte da superfície livre para a passagem de pedestres. “A criação do grupo de trabalho é um avanço. Procuramos intermediar o processo, e o primeiro passo é a delimitação”, disse o presidente da Câmara,  Thiago Duarte (PDT).
A promotora de Defesa do Meio Ambiente Ana Maria Marchesan também considerou um passo importante, mas estima que “ainda há um longo caminho na negociação”. Na reunião, o representante da Secretaria de Gestão, Rogério Baú, disse que a prefeitura tem “pressa na resolução da questão” e perguntou à promotora se a delimitação da área permitiria que a prefeitura continuasse a obra no local. Ana Maria respondeu que o MP precisa de garantias e prazos estabelecidos para retirar a ação contra o corte das árvores. Além de definir os limites da área, outros impasses precisarão ser resolvidos para que o Parque do Gasômetro se concretize. Um deles é a desapropriação da área da CEEE – que está em processo de tombamento pelo Estado, por ter abrigado a Usina de Gás Carbonado, construída em 1874 –, de uma propriedade pertencente ao Incra e da Escola Porto Alegre – única do município a abrigar meninos em situação de rua. A retirada das árvores não é um consenso entre os movimentos sociais.
O Viva Gasômetro demonstra satisfação com as negociações. A coordenadora do grupo, Jaqueline Sanchotene, disse que “houve uma grande evolução” e que “não é o parque que sonhamos, mas será uma melhoria para a região”. Integrante do Quantas Copas por Uma Copa, Ines Chagas diz que o grupo não está satisfeito com o encaminhamento e que faltam debates importantes, como o impacto que o aumento do fluxo de veículos causará no Centro Histórico. “Além de não fazer o verdadeiro debate, o grupo não tem representantes do Instituto dos Arquitetos do Brasil e da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural.”

Fonte: Jornal do Comércio | Fernanda Nascimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *