Pagamento de dívida reduziu lucro líquido da São Martinho

A São Martinho continuou no azul no segundo trimestre da safra atual (2017/18), graças às vendas maiores de etanol hidratado e energia cogerada do bagaço de cana, mas seu resultado líquido foi afetado por uma despesa financeira extraordinária. O lucro líquido da empresa no período cedeu 23,1%, para R$ 53 milhões.

A companhia teve que pagar US$ 100 milhões relativos a uma dívida contraída em 2012 (quando o dólar estava em R$ 2,10) e que estava como contabilidade de hedge. Por isso, foi feito um ajuste na receita líquida com vendas de açúcar, mas o desembolso não teve efeito no caixa da empresa, segundo o CEO, Fabio Venturelli. Na prática, disse, o que conta para o acionista é o "lucro caixa", que cresceu 22,7% ante o mesmo trimestre da safra passada, para R$ 167 milhões.

A receita líquida sofreu uma redução de 5,5%, para R$ 736 milhões. Com a incorporação da Usina Boa Vista, voltada à produção de etanol hidratado, a receita com o produto subiu, enquanto as vendas de etanol anidro e açúcar recuaram. Os ganhos com açúcar também diminuíram por causa da decisão de concentrar as vendas do produto na segunda metade da safra.

O executivo ressaltou, porém, que o resultado operacional superou as expectativas. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado avançou 6%, a R$ 391 milhões, o que elevou a margem Ebitda para 53,1%.

Até o segundo trimestre, os produtos resultantes de 40% da sacarose processada haviam sido vendidos. No último dia do período, a empresa já acumulava estoques tanto de açúcar como de etanol anidro e hidratado bem maiores do que um ano atrás. Para Venturelli, isso indica que ganhos maiores ainda estão por vir. "Foi um trimestre de pouco volume vendido e já chegamos a quase R$ 400 milhões de lucro caixa na safra", disse o CEO.

O resultado operacional da primeira metade da safra também resultou em um caixa considerado "confortável" pela companhia diante dos compromissos financeiros futuros. Em 30 de setembro, a São Martinho detinha R$ 1,4 bilhão em caixa e R$ 600 milhões em produtos em estoque, equivalente a dois anos de pagamento de dívida. O esforço para engordar o caixa teve um componente mais estratégico. "2018 é ano de eleição. É bom deixar a dispensa bem cheia", disse Venturelli.

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *