Ovelha não é pra mato

A soja não tem mais para onde se expandir nas regiões onde é tradicionalmente cultivada no Estado. Com a atual escalada de preços, o avanço da oleaginosa para as áreas de arroz e pecuária da Campanha tornou-se uma tentação quase irresistível para os pecuaristas e arrozeiros do Sul. Mas, como diz o velho ditado campeiro, ovelha não é pra mato. Ou seja, pecuária, orizicultura e sojicultura são atividades muito específicas.
A expertise acumulada em uma pode ser inútil na outra. Como me disse um arrozeiro que se recusa a se bandear para a soja, trocar da noite para o dia uma cultura pela outra seria como se um médico cardiologista virasse, de repente, ginecologista… A reconversão de culturas tem de levar em conta, além do zoneamento agroclimático, a vocação natural de cada região. E, principalmente, a aptidão dos produtores.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *