Ocergs contesta decisão da Cotrijui

Entidade é contrária à definição do atual presidente como condutor do processo de liquidação

Fernando Soares

ANTONIO PAZ/JC

Escolha do nome do liquidante da cooperativa deveria ser tomada em outra assembleia, diz Vergílio

Escolha do nome do liquidante da cooperativa deveria ser tomada em outra assembleia, diz Vergílio

A assembleia realizada no último sábado pela Cooperativa Regional Tritícola Serrana (Cotrijui), que definiu a liquidação voluntária e apontou o atual presidente Vanderlei Ribeiro Fragoso como o liquidante, é alvo de contestação por parte da Organização das Cooperativas do Rio Grande do Sul (Ocergs). A Ocergs alega que as decisões foram conduzidas de forma antidemocrática e lembra que seu advogado foi impedido de participar do encontro realizado em Chiapetta. Até amanhã, a entidade realizar uma denúncia pedindo uma nova assembleia.
A possibilidade mais forte é o ingresso de uma denúncia através do Ministério Público (MP). No entanto, o presidente da Ocergs, Vergílio Perius, lembra que existem outras possibilidades que ainda serão avaliadas pelos dirigentes da organização. “Estamos preparando o material para entrar com a denúncia. Até quinta-feira vamos fazer essa movimentação”, afirma. O dirigente ressalta que não contesta a autoliquidação da Contijui, mas sim a definição do atual presidente como o condutor do processo. “Essa decisão deveria ser tomada em outra assembleia. Atropelaram os ritos”, critica.
O presidente da Cotrijui ressalta que a decisão da assembleia foi soberana e lamenta a postura da Ocergs, pois acredita que era momento de unir forças na busca da recuperação da entidade. “Mais de dois terços dos associados aprovaram a decisão e minha nomeação como liquidante. Essa atitude da Ocergs é política, estão tomando partido junto a um grupo que esteve 18 anos na diretoria e sonegava os balanços financeiros”, dispara Vanderlei Ribeiro Fragoso. O dirigente nega que o advogado da Ocergs tenha sido barrado da assembleia. “Isso é mentira. Eles foram convidados para participar”, garante.
Fragoso destaca que os primeiros efeitos da moratória já começam a aparecer. A Cotrijui conseguiu suspender, na Justiça Federal, o leilão da unidade de armazenamento de grãos em Chiapetta, que estava programado para ocorrer nesta quarta-feira. Ontem, a cooperativa divulgou detalhes da terceira etapa do seu plano de recuperação. A prioridade será no saneamento das contas com credores externos. As dívidas somam, ao todo, R$ 1,2 bilhão.
Para o advogado da Cotrijui, Claudio Lamachia, a suspensão do leilão que ocorreria na manhã de hoje “demonstra que o remédio jurídico proposto pela cooperativa estava correto e protege o patrimônio de todos os associados do Complexo de Chiapetta”. Lamachia reporta que já está buscando cancelamento de outros leilões futuros, que já estavam designados.

Fonte: Jornal do Comércio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.