Colheita da soja é a menor desde a última seca no Estado, em 2012, ficando em volume de 10,6 milhões de toneladasDeise Froelich / Emater/RS-Ascar/Divulgação

A persistência da estiagem em etapa crucial de desenvolvimento da soja no Rio Grande do Sul cobrará um preço alto. Dados divulgados nesta sexta-feira (22) pela Emater apontam redução de 45,8% em relação à estimativa no início do ciclo, com a colheita agora projetada em 10,6 milhões de toneladas. É o menor volume desde a safra 2011/2012, quando o Estado foi  igualmente castigado com a falta de chuva.— O período decisivo para a soja é o mês de fevereiro e a primeira quinzena de março. Na Expodireto, quando apresentamos projeção, mais de 80% das lavouras do grão estavam no período mais vulnerável — explica o diretor técnico da Emater, Alencar Rugeri.

É o momento em que há o enchimento do grão, que tem relação direta com a produtividade. E o responsável pelo recuo expressivo nos números da safra. Pode-se dizer que os produtores gaúchos foram do céu ao inferno neste verão. No primeiro levantamento da produção de grãos, um novo recorde apontava no horizonte. Na soja, o volume era de 19,75 milhões de toneladas. Em dezembro a falta de chuva se intensificou e acendeu o alerta.

Prejuízos começaram a aparecer no milho, que tem justamente no último mês do ano etapa crucial de desenvolvimento. Na soja, a preocupação foi postergada. Mas veio com força quando o quadro de estiagem persistiu de forma prolongada. No início de março, na Expodireto-Cotrijal, veio o primeiro corte: diminuição de 16% na produção do grão. Pouco mais de uma semana depois, outra revisão e recuo estimado em 32,2%.

— Esperamos que nesta semana esse ciclo se feche, com o retorno da chuva. A fase em que ela faltou foi determinante para as perdas — reforça Geraldo Sandri, presidente da Emater.

No milho, as perdas acabaram  ficando menores pelo mesmo motivo. Quando a falta de chuva se acentuou, a cultura estava em uma fase em que os impactos eram menores, acrescenta o diretor técnico da instituição. No volume total de grãos o RS deve colher 22,46 milhões de toneladas, queda de 28,7% sobre a produção anterior e de 32,5% na comparação com o levantamento inicial do ciclo.

Fonte: Zero Hora