O mundo precisa de solidariedade (Artigo)

A pandemia tem colocado a humanidade à prova. Trata-se de uma turbulência sem precedentes, que passa por aspectos que vão muito além da saúde. Agendas de governo, decisões econômicas, conflitos sociais, o jeito de viver – tudo foi impactado.

Nesse momento em que todos nós estamos reaprendendo e readequando nossas rotinas, é preciso agir com equilíbrio. Afinal, só venceremos a guerra com união, espírito público e fé.

Todos os dias, mesmo em nossos círculos mais próximos, testemunhamos lições admiráveis de superação e esforço. Empresários buscam alternativas para manter empregos, pais e mães fazem o possível para acompanhar o ensino de seus filhos, autônomos usam a criatividade para seguir em frente. A sociedade, ciente das privações necessárias, persevera. Na política, precisamos nos inspirar nesses exemplos – e, tanto quanto possível, ajudar e buscar caminhos para frear a pandemia e conter seus reflexos. Deputado e médico, sei das dificuldades que os hospitais públicos e filantrópicos enfrentam. Por isso, propus uma lei que viabiliza por 120 dias que essas instituições recebam a integralidade dos recursos contratualizados com o SUS. Agora, lutamos que o benefício se estenda até o fim do ano. São mais de 2,5 mil instituições no Brasil. Os deputados federais gaúchos garantiram R$ 219 milhões para dar mais suporte no enfrentamento à Covid-19. São R$ 174 milhões para saúde, R$ 34 milhões para agricultura e mais R$ 11 milhões para segurança. Está proibida a exportação – por qualquer valor que seja – de produtos médicos, hospitalares e de higiene essenciais ao combate do coronavírus. Os brasileiros pedem socorro e devem ser priorizados.

Também garantimos a prática da telemedicina.

As pessoas agora têm a chance de ser atendidas, de forma remota, por especialistas – formato que permite diagnóstico de qualidade e segurança ao paciente. O zelo pelo desenvolvimento social nunca foi tão necessário, por isso garantimos a merenda aos alunos da rede pública que ficarem sem aula. E, também, votamos pelo auxílio de R$ 600,00 mensais para o trabalhador informal e de até R$ 1,2 mil às mulheres que são chefes de família.

Para vencer a guerra precisamos de coragem e unidade. De empatia e olhar para todos. Esse exercício é cada vez mais necessário na política, em casa, nas empresas e em todos os lugares. Não estamos sozinhos: juntos, venceremos e sairemos dessa mais fortes.

A pandemia traz uma turbulência sem precedentes, que passa por aspectos que vão além da saúde

Deputado federal (PP)

Fonte: Jornal do Comércio

Editoria: OPINIÃO

Autor(a): Pedro Westphalen

Assunto: AGRICULTURA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *