O Brasil estragou tudo?

A economia estagnada, um estado inchado e protestos em massa significa Dilma Rousseff deve mudar de rumo

Quatro anos atrás, o jornal colocou em sua capa uma foto da estátua do Cristo Redentor subindo como um foguete do Corcovado do Rio de Janeiro, sob o título " O Brasil decola ".A economia, tendo estabilizado sob Fernando Henrique Cardoso, em meados da década de 1990, acelerou-se sob Luiz Inácio Lula da Silva no início de 2000. É quase tropeçou após o colapso do Lehman, em 2008 e em 2010 cresceu 7,5%, seu melhor desempenho em um quarto de século. Para aumentar a magia, o Brasil foi premiado tanto da Copa do Mundo de futebol do próximo ano e no verão Olimpíadas de 2016. Com a força de tudo isso, Lula convenceu os eleitores no mesmo ano para escolher como presidente sua protegida tecnocrática, Dilma Rousseff.

Desde então, o país voltou para a terra com um solavanco. Em 2012, a economia cresceu 0,9%. Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas em junho nos maiores protestos de uma geração, reclamando dos altos custos de vida, serviços públicos deficientes e a ganância ea corrupção dos políticos. Muitos já perderam a fé na idéia de que seu país estava indo para a órbita e diagnosticada apenas outro Voo de galinha (vôo de galinha), como eles batizaram surtos econômicos de curta duração anteriores.

Nesta seção

Não existem desculpas para a desaceleração. Todas as economias emergentes se desacelerou. Alguns dos impulsos por trás do Brasil anterior boom-o pay-off de acabar com a inflação galopante e abertura ao comércio, o aumento dos preços das commodities, grandes aumentos de crédito e consumo, jogaram-se para fora. E muitas das políticas de Lula, nomeadamente a B Olsa Família que ajudou a levantar 25 milhões de pessoas da pobreza, eram admiráveis.

Código fiscal mais pesada do mundo

Mas o Brasil tem feito muito pouco para reformar seu governo nos anos de boom. Ele não está sozinho nisso: a Índia tinha a chance similar, e perdeu. Mas o setor público do Brasil impõe um fardo particularmente pesado em seu setor privado, como o nosso relatório especial explica. As empresas enfrentam código fiscal mais pesada do mundo, impostos sobre os salários adicionar 58% para os salários e que o governo tem suas prioridades de gastos de cabeça para baixo.

Compare pensões e infra-estrutura. O ex-são absurdamente generoso. A média brasileira pode olhar para a frente a uma pensão de 70% do salário final em 54. Apesar de ser um país jovem, o Brasil gasta tão grande a parcela da renda nacional em matéria de pensões, como o sul da Europa, onde a proporção de idosos é três vezes maior. Por outro lado, apesar das dimensões continentais do país e ligações de transportes ruins, seus gastos em infra-estrutura é tão acanhado como um biquíni. Ele gasta apenas 1,5% do PIB em infra-estrutura, em comparação com uma média global de 3,8%, apesar de seu estoque de infra-estrutura está avaliada em apenas 16% do PIB, em comparação com 71% em outras grandes economias. Infra-estrutura podre carrega custos desnecessários para as empresas. Em MT um agricultor soja passa 25% do valor do produto obtendo-lo a uma porta, sendo a proporção em Iowa é de 9%.

Estes problemas têm acumulado ao longo de gerações. Mas Dilma tem sido relutantes ou incapazes de enfrentá-los, e criou novos problemas, interferindo muito mais do que o Lula pragmático. Ela tem assustado os investidores longe de projetos de infraestrutura e minou a reputação conquistada a duras penas no Brasil para retidão macroeconômica por chivvying publicamente o chefe do Banco Central em cortar as taxas de juros. Como resultado, as taxas estão tendo agora a subir mais do que de outra forma poderiam para conter a inflação persistente. Ao invés de admitir a faltar suas metas fiscais, o governo recorreu a contabilidade criativa. A dívida pública bruta subiu para 60-70% do PIB, de acordo com a definição e os mercados não confiam em Dilma.

Felizmente, o Brasil tem grandes vantagens. Graças aos seus agricultores eficientes e empresarial, é o terceiro maior exportador de alimentos do mundo. Mesmo que o governo tornou o processo mais lento e mais caro do que ele precisava ser, o Brasil será um grande exportador de petróleo até 2020. Ele tem várias jóias de fabricação, e está desenvolvendo uma base de pesquisa de classe mundial em biotecnologia, ciências genéticas e tecnologia de gás e petróleo em alto-mar e. As marcas de consumo que têm crescido juntamente com a expansão da classe média do país está pronto para ir para o estrangeiro. Apesar dos recentes protestos, ele não tem as divisões sociais ou étnicos, que mancham de outras economias emergentes, como a Índia ou Turquia.

Um gol para Dilma Fernández?

Mas se o Brasil é recuperar seu vim, ele precisa redescobrir o apetite para a reforma. Com os impostos que já tomam 36% do PIB, a maior proporção no mundo emergente ao lado de Cristina Fernández caótico Argentina, o governo não pode olhar para os contribuintes para o dinheiro extra deve gastar em cuidados de saúde, escolas e transporte para satisfazer os manifestantes. Em vez disso, ele precisa de remodelar o gasto público, especialmente as pensões.

Em segundo lugar, ele deve fazer negócios no Brasil mais competitivo e incentivá-lo a investir. A maneira de fazer isso não é, como o governo acredita que, para proteger as empresas, mas para expô-los a uma concorrência mais estrangeiros ao mover-se muito mais rapidamente para eliminar os obstáculos auto-infligidos que enfrentam em casa.Tarifas de importação no Brasil continuam elevadas e os seus procedimentos aduaneiros são um catálogo de obstrução sanguinária. Economias latino-americanas mais dinâmicas criaram redes de acordos comerciais bilaterais. O Brasil tem escondido atrás Mercosul, um bloco regional que tem diminuído em um esquerdista falar-shop, ea moribunda Rodada Doha de negociações de comércio mundial. Ele precisa se abrir.

Em terceiro lugar, o Brasil precisa urgentemente de uma reforma política. A proliferação de partidos, cujo único interesse é carne de porco e de clientelismo, constrói em enorme desperdício em todos os níveis de governo. Um resultado é um gabinete com 39 ministérios. No papel, a solução é fácil: um limite para cadeiras no Congresso e outras mudanças para tornar os legisladores mais prestar contas aos eleitores. Mas se aqueles que se beneficiam do sistema atual de concordar em mudá-la requer habilidade mais política do que Dilma Rousseff tem mostrado.

No período de um ano Rousseff enfrenta uma eleição em que ela vai buscar um segundo mandato de quatro anos. Em seu recorde até agora, os eleitores brasileiros têm pouca razão para dar-lhe um. Mas ela tem tempo para fazer um começo nas reformas necessárias, aparando a burocracia, a fusão dos ministérios e reduzir os gastos públicos.O Brasil não está fadado ao fracasso: se Dilma Rousseff coloca a mão no acelerador ainda há uma chance de que ele poderia decolar novamente.

A partir da edição impressa: Líderes

***TRADUZIDO ATRAVÉS DO GOOGLE TRANSLATE

Fonte: The Economist

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *