Novo sistema garante evolução no cultivo de peixes

UPF/DIVULGAÇÃO/JC
Barcellos recebe troféu do JC na categoria Alternativas Agrícolas

Barcellos recebe troféu do JC na categoria Alternativas Agrícolas

O cenário da piscicultura no Rio Grande do Sul está prestes a ser modificado com a difusão de um sistema de cultura limpo que promete maior produtividade e menor impacto ambiental, além de melhorias no sabor da carne do peixe e no retorno financeiro ao produtor. “Ainda dá para avançar”, aponta o autor da pesquisa, Leonardo José Gil Barcellos, professor de Fisiologia Animal e Aquicultura na Universidade de Passo Fundo (UPF). Apesar da modéstia, o docente admite que o estudo traz ótimos resultados para quem o utiliza.
Desenvolvido há 10 anos por pesquisadores da faculdade de Agronomia e de Medicina Veterinária da UPF, a alternativa ao método tradicional no Estado (policultivo de carpas com a criação de quatro espécies desta família) insere o jundiá (peixe nativo) e a tilápia (africana) no sistema de cultivo de pequenas propriedades rurais da região Norte, formando um sistema de seis espécies. “Tínhamos uma demanda grande no sentido de encontrar um sistema mais vantajoso do que o que costuma ser utilizado pela maioria esmagadora de produtores, mas que tem uma produtividade muito baixa, em torno de 40% menor que a que desenvolvemos”, argumenta Barcellos.
Segundo o professor, apesar da vantagem de exigir uma tecnologia mais simples, o policultivo de carpas também apresenta problemas de aceitação de mercado. “Demorou, mas conseguimos chegar a um modelo que pode ser considerado de baixo impacto ambiental com a inserção destas duas novas famílias”, celebra Barcellos, destacando que, por terem uma sinergia entre elas, as seis espécies consomem todos os recursos do açude. “Assim, quando sai do tanque, o efluente vai para a natureza com uma quantidade de fósforo muito menor do que a média do outro modelo.” Da forma tradicional, ao serem abertos os tanques para a retirada dos peixes no final do ciclo de cultivo, milhares de litros de água vão para o rio cheios de nutrientes. “Mas, com o acerto das quantidades de cada espécie e da alimentação de cada uma, foi possível promover uma redução drástica na quantidade de fósforo”, reforça, explicando que o nutriente se forma a partir dos restos de ração, excreta, acúmulo no solo e adubo.  

Pesquisador ressalta as vantagens da tilápia

No sistema proposto pela UPF, a tilápia serve com filtrador, aproveitando os nutrientes que seriam despejados na natureza. “Além disso, trata-se de um peixe muito aceito no mercado: é o primeiro que o produtor vende, por isso também ajuda a melhorar a questão econômica”, justifica o professor Leonardo Barcellos. Outro fator que contribui é que a tilápia cresce rápido e, de tanto consumir os resíduos dos outros peixes, permite economia de ração (que representa 60% do custo). “Ainda melhora o nível tecnológico do sistema e incrementa a produtividade, entre uma série de outros resultados positivos”, emenda Barcellos.
A tilápia ainda resolve um dos problemas do cultivo tradicional, que deixa o peixe com gosto de barro. No trabalho da UPF, graças às melhorias das proporções, conseguiu -se que o novo sistema não alterasse a quantidade de proteínas da carne. “Já a introdução do jundiá neste cultivo é a primeira etapa para que, no futuro, possa-se pensar em capacitar produtores a fazer cultivos mais intensivos somente desta família”, completa o professor, explicando que a diferença tecnológica para o cultivo de jundiá é muito superior à utilizada no cultivo de carpas.
“O monocultivo de jundiá é bem mais difícil, porque funciona em cima de ração. Além disso, esta é uma espécie que apresenta muito problema de doenças”, diz o docente. Cultivado com outros peixes, o jundiá apresenta uma série de vantagens. “No P25, a quantidade da espécie é menor, e é possível que esta população aproveite os resíduos das outras”, diz o autor da pesquisa.

CADEIAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA

Enio Marchesan (UFSM)
Arione da Silva Pereira (Embrapa)
Paulo César Faccio de Carvalho (Ufrgs) e Granja Ortiz

TECNOLOGIA RURAL

Ênio Giotto (UFSM)
Cláudia Lange (Irga)
• João Carlos Deschamps (Ufpel)

ALTERNATIVAS AGRÍCOLAS

Leonardo José Gil Barcellos (UPF)
• Anderson Vedelago (Irga) e Vilnei Heatinger
Fábio Esswein (Ecocitrus)

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

Irajá Ferreira Antunes (Embrapa)
Milton Bernardes (Sec. de Agricultura/RS)

PRÊMIO ESPECIAL

José Antonio Peters (Ufpel)

Fonte: Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *