Novidades para melhor aproveitamento da água são atração na Agrishow

Entre as técnicas, estão sistemas de controle por telemetria dos pivôs e modelos sustentáveis por gravidade que eliminam o uso de energia elétrica

Leandro Becker

Foto: Leandro Becker / Agência RBS

Sistema israelense tem versão para irrigar pequena propriedade

Em evidência depois da seca que arrasou a safra gaúcha de grãos de verão, a irrigação atrai bons negócios na 19ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow 2012), que vai até a próxima sexta, dia 4, em Ribeirão Preto (SP). Entre as atrações, estão sistemas de controle por telemetria dos pivôs e modelos sustentáveis por gravidade que eliminam o uso de energia elétrica.

A gaúcha Fockink trouxe à feira um programa capaz de ligar, monitorar e desligar os pivôs de irrigação na lavoura via computador. Caso haja algum imprevisto no campo, o sistema dispara um alerta virtual para o celular do agricultor. Com custo inicial de R$ 20 mil, o sistema gera relatórios do uso do equipamento e analisa o ganho em produtividade.

A tecnologia, que pode ser controlada por uma única pessoa, reduz o tempo de operação e manejo dos pivôs. Segundo a Fockink, no primeiro trimestre do ano, as vendas foram 45% superiores às do mesmo período de 2011. A procura por produtos é até 80% maior. É o reflexo da seca.

– O agricultor não pode controlar o clima, mas sabe que a irrigação traz a segurança que falta para plantar sem medo – observa Ragde Venquiarutti Paz, da área de marketing da empresa.

Nesta quarta, dia 2, inovações receberão o prêmio Gerdau Melhores da Terra. Serão reconhecidos o secador Khronos, da Kepler Weber, de Panambi, e o distribuidor de adubo líquido especial para vinhoto da Mepel Máquinas e Equipamentos, de Estação.

Kit dispensa eletricidade
Vem de Israel outra novidade da Agrishow: a irrigação por gravidade. O kit demonstrado pela Netafim é destinado a pequenos agricultores. O sistema por gotejamento é aplicado na África e no Nordeste brasileiro. Em três meses, será lançado um módulo para até um hectare, com custo inferior a R$ 1 por metro quadrado.

Ativado por gravidade com uso de uma caixa d’água, o kit dispensa o uso de energia elétrica. Ao fornecer água de forma controlada, o sistema assegura produtividade 50% maior, em média, além de economia de 40% em água, fertilizante e defensivos agrícolas.

O foco é em cana-de-açúcar, café e citrus, mas a Netafim quer expandir para a soja.

– A irrigação garante resultado e faz com que o produtor não fique refém do clima – afirma Igor Freitas, gerente de marketing da Netafim.

*O repórter viajou a Ribeirão Preto a convite de um pool de empresas do setor

Fonte: Ruralbr |  Leandro Becker | Ribeirão Preto (SP)* leandro.becker@zerohora.com.br ZERO HORA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *